Gama 0 x 0 Santos - Brasileiro 2002

Dimba marcou dois gols pelo Gama em 2002 que acabaram ajudando muito o Santos (Foto: Tony Winston)

Felipe Noronha
20/07/2016
14:46
São Paulo (SP)

15 de dezembro de 2002: com gols de Robinho, Elano e Léo, além de defesas milagrosas de Fábio Costa, o Santos derrotou o Corinthians por 3 a 2 e se sagrou campeão brasileiro, quebrando tabu de 18 anos sem títulos importantes. O torcedor santista conhece cada detalhe daquele jogo. Mas muitos não sabem que, para aquela final existir e se tornar histórica, um outro jogo aconteceu em Brasília um mês antes. E não teve o Santos em campo.

O Santos encara o Gama na noite desta quarta-feira, às 21h45, pela terceira fase da Copa do Brasil, no Distrito Federal. Será a primeira vez que os times se enfrentarão desde 2002. No Brasileiro daquele ano, empataram por 0 a 0, também no DF. Mas foi um outro jogo do Gama que mudou o destino do Santos - e o levou ao título nacional.

Pela última rodada do torneio, no dia 17/11, o time do DF, já rebaixado, recebeu o Coritiba. No mesmo dia e horário, o Santos foi ao Anacleto Campanella encarar o São Caetano (este já classificado). Santos (então 6°, com 39 pontos) e Coritiba (então 9°, com 36) brigavam pela classificação entre os oito que iriam ao mata-mata, em disputa também com Grêmio e Fluminense. Três destes avançariam - e o Coxa, se empatasse em pontos com o Santos, ficaria na frente por ter mais vitórias.

O Grêmio bateu o Galo em casa (1 a 0) e passou. O Flu virou para cima da Ponte em Campinas (3 a 2, saindo perdendo de 2 a 0) e também classificou. Faltava a oitava vaga, e Santos ou Coritiba ficariam com ela.

- Foi o último jogo e o Gama tinha sido rebaixado no penúltimo, contra o Atlético-MG (derrota por 6 a 4 em MG) -  conta Dimba, atacante então craque daquele Gama. - Eu particularmente tinha uma ambição muito grande pois brigava pela artilharia do campeonato (acabaria em 3°, com 17 gols, atrás de Luís Fabiano e Rodrigo Fabri, ambos com 19). E o Gama estava querendo terminar de forma mais honrosa, porque o que aconteceu no jogo anterior foi uma coisa estranha (o time do DF reclamou de erros de arbitragem). Fomos para aquele jogo querendo ganhar de toda maneira e eu tentando fazer o maior número de gols - disse o ex-jogador, em contato com o LANCE!.

O Santos virou o primeiro tempo perdendo para o São Caetano por 1 a 0. No DF, os jogadores do Coritiba sabiam

- Eu lembro que um jogador do Coritiba comentou que o Santos não estava conseguindo ganhar e que era para eles irem para cima, que tinham grande chance de se classificar - relembrou Dimba.

Só que a aposta do Coxa não deu certo: em jogo aberto, o Gama abriu 1 a 0 minutos após o gol do São Caetano sobre o Santos. Gol de Dimba.

Aos 16 minutos do 2° tempo do jogo no ABC Paulista, o São Caetano já batia o Santos por 3 a 1 (o jogo terminaria 3 a 2). Era só o Coritiba virar que se classificaria. E o Santos seria eliminado, forçando seu torcedor a aguentar, ao menos, mais um ano de tabu sem títulos.

O Coxa seguiu pressionando, sabendo da derrota já quase certa do Santos. - O Coritiba foi embalado, empolgado, indo para cima da gente. Foi um jogo bem aberto. Eu acabei fazendo dois gols, e ganhamos de 4 a 0. E isso deu sobrevida ao Santos no campeonato, tanto é que acabou sendo campeão.

Dario de la Rosa, aos 33 min., Rodriguinho, aos 38 min., e Dimba novamente, aos 44 min. da etapa final, formaram a goleada do Gama: 4 a 0. O Santos se classificava mesmo perdendo. Mas a notícia chegou "tarde" à São Caetano: Elano, por exemplo, chorou no gramado pensando que o Santos estava eliminado.

Não estava, graças à Dimba e seus companheiros. - Eu tenho alguns amigos santistas, meu primo também jogou no Santos, o também Dimba (formado na base do clube em 2012). Sempre comentam comigo, 'que legal, aquela geração foi campeã porque vocês tiraram o Coritiba'.

O Santos passou em oitavo. Uma semana depois e meia depois, eliminaria o líder da primeira fase, o São Paulo, em pleno Morumbi. Em seguida, o Grêmio caiu nas semifinais. O Corinthians foi a vítima na decisão.

E a goleada do Gama saiu sem motivação extra. - Disseram que o Santos ia mandar uma grana para o Gama ganhar. Eu não recebi nada. Eu acredito que não houve, não recebi, não houve nada demais - diz Dimba sobre uma possível "mala branca" do Santos para que o time do DF ajudasse.

Assim, quando o santista assistir ao Gama enfrentando o Santos na noite desta quarta, pode ficar agradecido. Sua história é mais bonita graças ao adversário de verde.