Léo Saueia
01/06/2016
23:59

O Santos havia perdido no final de semana para o Internacional e recebeu merecidas críticas pela passividade com que atuou mesmo em sua casa, onde não perdia há 11 meses.

Para um clássico na rodada seguinte, fora de casa, era preciso mudar para não se tornar presa fácil. O técnico Dorival Júnior, contudo, optou por fazer mudanças drásticas demais para uma equipe ofensiva. O Peixe perdeu por 1 a 0 para o Corinthians, na noite desta quarta-feira, pela quinta rodada.

Sem Lucas Lima, Gabigol e Ricardo Oliveira, já era previsto que o Santos fosse perder muito na questão técnica, já que a reposição não está nem perto do mesmo nível do trio.

Dorival testou Longuine, Paulinho e Joel, mas ficou inconformado com a inoperância diante do Inter e resolveu surpreender para o clássico contra o Corinthians, na arena.

Nem o mais temeroso santista imaginava entrar em campo sem nenhum atacante de ofício. Paulinho, Longuine e Joel foram sacados e deram lugar a três meias: Elano, Léo Cittadini e Serginho, com o primeiro centralizado e mais à frente.

No time do DNA ofensivo, isso não seria aceito, mas insistiu até o intervalo. Dentro do que se propôs, saiu-se bem e conseguiu segurar as investidas do Corinthians.

Após o intervalo e durante o segundo tempo, com três mexidas, voltou ao “normal” e mostrou que queria o resultado. Mas o castigo veio com gol de Giovanni Augusto.

Existem conceitos e a ousadia de Dorival Júnior pela mudança em vez de se apoiar na falta de elenco é louvável, mas tem sido cada vez mais difícil tirar leite de pedra.