Russe Dias
31/05/2016
06:00
Santos (SP)

Apesar dos valores abundantes no futebol, há atletas que também têm o sonho da casa própria. Inclusive um deles agora chegou à Série A do Brasileirão. Trata-se de Rodrigão, atacante de 22 anos. Até semana passada, o atacante morava no alojamento do Campinense, da Paraíba. De agora em diante, tudo será diferente. Apesar de seu salário ser o menor do Santos, o novo reforço do Peixe terá condição de mudar de vida.

- Vai ter muitos coisas que vou querer fazer. Vou poder dar um conforto muito grande para os meus pais. É o principal na minha vida. Não tenho carro, não ligo para isso, só quero ajudar a família mesmo. Sou humilde. Pai e mãe vale mais que ouro. Eles são minha base. Sei como é o mundo do futebol trago eles para ficar estabilizado - diz Rodrigão ao LANCE!, que chegou há poucos dias em Santos.

Aos 22 anos e jogador profissional há três anos, Rodrigão é o artilheiro do Brasil, com 18 gols marcados desde janeiro. Inclusive, até dar certo no futebol, baiano de Belmonte que tem sete irmãos ralou. Enquanto se alternava com o campeonato intermunicipal, pintou paredes e entregou água.

"Vou poder dar um conforto muito grande para os meus pais. É o principal na minha vida. Não tenho carro, não ligo para isso, só quero ajudar a família mesmo."

A sorte mudou quando seu empresário, o ex-jogador Tico Mineiro, lhe conseguiu um teste no Democrata de Governador Valadares. A partir daí, Rodrigão começou a conhecer o profissionalismo no futebol, mas nunca havia chegado perto do glamour.

- Comecei de volante, segundo volante. Quando virei profissional, virei atacante, porque não tinha atacante. Comecei treinando uma semana no Democrata, depois me chamaram pra ficar mais 15 dias, e fui aprovado. A partir daí a vida mudou, comecei a ajudar meus pais - recorda.

Após visitar o CT Rei Pelé para se apresentar ao técnico Dorival Júnior, Rodrigão teve contato com um jogador que até então só tinha visto pela televisão. Despretensiosamente, ele acabou realizando um sonho.

- Rapaz... O cara que eu queria ver mesmo... Queria ver todo mundo, mas quero ter uma convivência com o Ricardo Oliveira. Gostaria muito de conhecer. Ele me falou que o grupo vai me apoiar. Agradeci. Vindo de um ídolo, né, não tem nem o que falar, só agradecer - diz, emocionado.

Já a partir desta terça-feira, o técnico do Peixe, Dorival Júnior, terá Rodrigão à disposição para treinar. Além de um novo atacante, a Série A do Brasileirão também ganha um grande personagem.

Confira a entrevista exclusiva com Rodrigão:

A cobrança da torcida do Santos sobre o maior artilheiro do Brasil será grande. Está preparado?

Em qualquer lugar tem cobrança para quem chega, ainda mais para o artilheiro do Brasil. Mas estou tranquilo. Quero trabalhar forte. Quero estar pronto para fazer gols. Espero estar hoje dentro de campo.

Como você encara a responsabilidade de ser o artilheiro do Brasil?

Sonho para todo jogador. É uma coisa bem prazerosa. Agora quero manter isso. É difícil ser artilheiro do Brasil. Ainda mais jogando o Brasileirão. Agora é manter a forma e continuar tentando, em busca do gol.

Para quem não te conhece. Como é seu estilo de jogo?


Não sou centroavante que fica parado, saio para jogar, ajudo na marcação também.

O ataque do Santos é concorrido. Como acha que vai ser a briga por posição?

O mundo da bola é imprevisível, tenho que matar um leão por dia. Tenho que fazer gols e jogar bem para surgir muita coisa ainda. Sonho muito com Seleção Brasileira.

Até semana passada você só via o Ricardo Oliveira, camisa 9 da Seleção, pela televisão. Como vai ser treinar com ele?

Tive um encontro legal com o Ricardo Oliveira. Fico feliz, ainda mais sabendo que é um ídolo para a torcida. Venho em busca de fazer um bom trabalho... não como ele, pois sei que é difícil, mas quero fazer meus gols e quem sabe um dia virar ídolo?