Patito Rodriguiez - Santos

Patito reestreou no Peixe em 2016 no duelo contra a Ponte Preta (Foto: Ricardo Saibun / Santos FC)

Léo Saueia e Russel Dias
19/02/2016
07:05
São Paulo e Santos (SP)

Perda da final da Copa do Brasil e três derrotas seguidas no Allianz Parque em 2015. Lembrar de enfrentar o Palmeiras longe de sua casa não tem sido tarefa agradável para o santista. Mas o Peixe conta, nesta temporada, com um "reforço" para quebrar essa sequência ruim: Patito Rodriguez. O argentino, que pode ter nova chance como titular do Peixe no clássico deste sábado contra o Palmeiras, às 17h, no Allianz Parque, tem um bom retrospecto contra o Verdão.

Em seu passado, Patito enfrentou o Palmeiras duas vezes e nas duas o Alvinegro se saiu bem. Uma delas no Pacaembu, já que o Allianz estava em reforma. E a outra na Vila.

Na última rodada do Brasileirão de 2012, o rebaixado Palmeiras encarou o Santos. O Verdão até começou ganhando, mas foi Patito quem lançou para Neymar servir Victor Andrade, autor do gol de empate da partida. Depois, o Peixe sobrou e venceu por 3 a 1 na Vila Belmiro.

Mas não é só o retrospecto que o credencia para o clássico. Patito treinou durante toda essa semana como titular. Além disso, ele, que por enquanto não tem dado entrevistas, tem a seu favor o fato de ter agradado o técnico Dorival Júnior. Mesmo que no empate em 3 a 3 com Novorizontino, na semana passada, o argentino tenha jogado apenas a etapa inicial. 

- Ele fez uma boa partida, teve uma participação boa... É natural que precise de mais tempo, mas foi bem superior - disse o treinador, que não tinha Paulinho à disposição por causa de uma virose.

Vencer o Palmeiras com uma boa atuação não seria uma felicidade qualquer. O argentino de 25 anos precisa mostrar em campo por que merece ter seu contrato, que termina em julho, renovado com o Peixe.

Segundo Dorival, a renovação depende muito do que for apresentado por Patito neste Paulistão.

- Depende também da resposta dele com o clube. É sempre uma troca. Optei pela permanência dele, tem qualidade para isso. O conhecia de antes, no Independiente, o indiquei para o Atlético-MG entre 2010 e 2011. Ele pode exercer a função que era de Geuvânio e Marquinhos Gabriel - explicou o técnico, sobre Patito.

Ainda invicto em 2016, o Santos não esconde que ainda não achou o futebol apresentado no ano passado, que o levou ao G4 do Brasileiro e à final da Copa do Brasil. O ataque, destaque em 2015, ainda não tem uma formação definida e Patito pode ganhar espaço com isso. Uma vitória no Allianz pode trazer mais tranquilidade ao Peixe e ao argentino.