Peres e Rollo

Presidente José Carlos Peres rebatou as críticas do vice Rollo (Foto: Ivan Storti)

Gabriela Brino
21/06/2018
20:49
Santos (SP)

Depois de receber duras críticas de seu vice Orlando Rollo, o presidente do Santos, José Carlos Peres, enviou um texto ao LANCE! para respondê-las. O mandatário desmentiu o dirigente e afirmou que os nomes do preparador de goleiros Arzul, do fisioterapeuta Rosan e de Maneco, funcionário da Vila Belmiro, nunca estiveram em uma lista de demissões do Comitê de Gestão do clube.

Rollo demonstrou insatisfações e afirmou que está rachado com Peres administrativamente. O presidente entende que, apesar dos seis meses de dificuldades, a gestão conseguiu dar um alívio nos cofres do clube.

- Discordo da avaliação feita publicamente, avalio que esses seis meses foram longe do ideal e do que projeto para o clube, mas o saldo foi positivo. Neste período, tivemos grandes avanços em pagamento de dívidas e impostos, salários e premiações em dia, instalação de auditoria forense, abertura do Business Center em São Paulo, profissionalização do marketing com resultados rápidos de novos patrocínios e mudanças na precificação para o Sócio Rei - declarou o dirigente, que completou:

- Também a venda futura recorde no Brasil de um atleta (Rodrygo), profissionalização da área jurídica, lançamento do Portal da Transparência, contratação de um dos profissionais mais respeitados do mercado como executivo de futebol (Ricardo Gomes) e entraremos no segundo semestre, apesar das dificuldades financeiras para contratações, com o clube classificado para as quartas de finais da Copa do Brasil, oitavas de finais da Taça Libertadores e com um aproveitamento no Brasileiro ruim, mas suficiente para estarmos próximos do meio da tabela.

Peres explicou que existe uma lista no Comitê de Gestão com mais de 20 nomes que têm a demissão avaliada. A ideia da diretoria é reformular algumas áreas e profissionalizá-las, de forma que pessoas que foram contratadas por boa relação ou campanha deixem os cargos.

- Sobre as demissões, temos uma lista sugestiva de mais de 20 nomes que, por respeito aos profissionais envolvidos deveria, ser mantida em segredo. Mais grave do que seria revelar nomes da lista, foi o que, de maneira triste, encontrei na entrevista: jogar para torcida nomes que nunca estiveram na lista de dispensa, como os de Arzul, Senhor Maneco e Rosan. Repito: nunca estiveram em nenhuma lista. Todos os membros do Comitê Gestor e profissionais que tiveram acesso ao material podem certificar esse fato - afirmou.

Já sobre a situação política de Rollo no Santos, Peres apenas lamenta o possível afastamento. No momento, ele se diz preocupado em corrigir os rumos do clube e profissionalizar a gestão.

- Em relação ao desejo do vice presidente Orlando Rollo de se licenciar para poder trabalhar politicamente no Conselho Deliberativo, eu lamento, mas prefiro que seja este um movimento claro, transparente. Estou preocupado hoje em corrigir rumos, profissionalizar o clube e fazer o melhor para a instituição - concluiu.

Veja mais trechos da declaração na íntegra:

"O embate em questão que deveria ser mantido de forma interna, civilizada e em prol do clube, é o passo no aprofundamento da profissionalização do clube. Refleti e assumo erros de avaliação em algumas contratações de recursos humanos, tanto que estou sugerindo ao Comitê Gestor dar autonomia aos executivos para que façam as mudanças necessárias independentemente de laços políticos ou de amizade com as pessoas que serão dispensadas. Infelizmente esta sugestão ainda não é consenso no Comitê mas seguiremos aperfeiçoando a proposta e buscando o convencimento na próxima reunião segunda-feira", disse sobre a reformulação no Santos.