Ricardo Oliveira - Santos

Ricardo Oliveira foi o artilheiro do Paulistão na temporada passada (Foto: Ivan Storti / Santos FC)

Léo Saueia e Russel Dias
20/02/2016
07:10
São Paulo e Santos (SP)

Ricardo Oliveira e Fernando Prass se estranharam ao longo dos sete clássicos disputados entre Santos e Palmeiras no ano passado e apimentaram a decisão da Copa do Brasil, vencida pelo Verdão. Na ocasião, os palmeirenses se utilizaram de uma comemoração do camisa 9 do Peixe no clássico anterior, que supostamente foi feita debochando de Prass, e fizeram até mesmo uma máscara com a expressão facial do centroavante. Após a conquista do título, inclusive, os campeões se vestiram dela.

Diante de todo esse cenário seria coerente achar que Ricardo Oliveira voltaria neste sábado ao Allianz Parque para enfrentar o Palmeiras novamente, às 17h, pelo Paulistão, com sede de revanche. Quem conhece o Pastor, entretanto, sabe que não é assim que ele pensa.

- Reencontro não tem nada. Se tem algo que nunca levo para minha cama é rancor. Porque se você vive com rancor, é um peso extra nas costas. O que passou, faz parte de um passado. É um ano novo, inicia-se nova temporada e quero alcançar objetivos com meu time - esclarece Ricardo Oliveira em entrevista ao LANCE!, no CT Rei Pelé.

Autor de quatro gols sobre o Palmeiras em 2015, se somado todos os clássicos, o camisa 9 da Seleção Brasileira tem certeza de que toda a provocação ficou no passado. Tanto que, se fizer mais um gol hoje, ele vai comemorar. Sabe como?

- Se fizer gol, vou comemorar como tiver que comemorar. Se achar que devo comemorar de alguma forma, vou comemorar, sim! - acentua o artilheiro, autor de 37 gols durante a temporada de 2015. 

Se algo realmente incomoda o capitão do Peixe é não vencer. Na última rodada, o Santos sofreu uma virada do Novorizontino e recuperou o empate no fim da partida. Por isso, ele quer esquecer também o histórico de três derrotas do Santos no Allianz Parque, no ano passado, lembrar das quatro vitórias sobre o Palmeiras na Vila Belmiro, e sair do campo adversário com um bom resultado hoje.

E o melhor jeito para isso até quem não conhece o atacante santista sabe: com bola na rede.

Seja no Allianz Parque ou na Vila, ele tem sua marca registrada.

Confira um bate-bola exclusivo com Ricardo Oliveira:

Depois de todas as provocações, se você fizer gol hoje, vai comemorar como quiser ou te inibe?
Eu só acho que algumas coisas têm limite, mas isso não me inibe de comemorar. Se eu fizer gol e achar que devo achar que devo comemorar de alguma forma, vou comemorar. O gol é o momento mais esperado no futebol e não vou comemorar com a minha torcida? Claro que vou!

Essa comemoração que se tornou polêmica, era provocação?
Comemorei com minha torcida, com meus companheiros. É nítido, na sequência o Gabriel vem comemorar, coloco a chuteira dele na minha perna naquele gesto elogiando a perfeição do passe dele.

Você teve que explicar para seus filhos por que havia jogadores com uma máscara sua?
Minha família é bem estruturada, sei blindar eles. Não tive que explicar. Mas não sei o que passa na cabeça de algumas pessoas para comemorar um título e lembrar do outro. Mas não quero gerar algo polêmico de novo.