Russel Dias
03/02/2017
06:00
Santos (SP)

Qualquer santista se lembra com alegria do fim da temporada de 2016, quando o Peixe alavancou na disputa pelo título do Brasileirão e conquistou a segunda colocação. Mas para o garoto Lucas Veríssimo, nem tudo foi festa no término daquele ano.

Por ter cometido dois pênaltis no amistoso com o Benfica (POR) no centenário da Vila Belmiro, que terminou empatado, o zagueiro de 21 anos perdeu espaço na sequência do Brasileirão e deu lugar a Fabián Noguera, que acabou não agradando à comissão técnica. Mais tarde, o técnico Dorival Júnior acabou admitindo que o defensor não deveria ter saído do time.

Mas já no começo de 2017 a vida de Lucas Veríssimo parece ter mudado para melhor. Assim como no ano passado, ele começa a temporada como titular, já no duelo contra o Linense, nesta sexta-feira, às 19h30, na mesma Vila Belmiro em que foi martirizado em um jogo que era para ser festivo.

- Não tive tempo pra pensar, só me mantive focado, treinando no dia a dia, por saber que a oportunidade iria aparecer, então me mantive focado e trabalhando firme. Agora se aparecer a oportunidade de jogar no Paulista, tenho certeza que assim como ano passado estou preparado pra entrar e dar o meu melhor - conta sobre o aprendizado em entrevista ao LANCE!.

Mas o que poderia ter mudado na cabeça do zagueiro com sobrenome de escritor? A resposta vem da tática e do amadurecimento.

- Eu sempre fui um jogador técnico e pela estatura, sempre tive boa bola aérea, o que eu fiz foi aprimorar ainda mais, continuei trabalhando firme tanto por baixo quanto por cima, então acredito que hoje estou mais preparado. Eu comecei ano passado jogando, então passou um ano disso já, eu já tive bastante experiência e estou aprendendo muito aqui com a rapaziada, com todos que estão aqui, os que estão chegando... Agora acredito que eu esteja mais preparado e encorporado como profissional - avalia sobre seu crescimento como ser humano e atleta.

Nesta sexta, diante do ex-clube, Lucas estará em campo por uma série de fatores que tirar David Braz, Cleber, Luiz Felipe e Gustavo Henrique. Mas não ache que ele pensa assim. Até mesmo ao saber que o Santos estava contratando outros zagueiros, Lucas não quis se diminuir.

- Ruim ver essas notícias, não digo ruim, é bom pelo lado de você querer sempre mostrar ainda mais o seu trabalho, quando se falou do Cleber, Felipe Trevizan também se não me engano estava sendo cogitado. Então a única coisa que mantive foi ficar focado e treinando. Nessas férias eu descansei um pouco e já quis voltar aos trabalhos antes, mesmo em casa. Para chegar aqui e estar preparado e mostrar para o professor. E as notícias, no fim são boas, estou aprendendo a cada dia com o Cleber aqui, um jogador experiente, passou por clubes grandes, passou pela Alemanha recentemente. É muito bom pra mim também pessoalmente porque aprendo muito - conclui.