Léo Saueia
23/10/2016
09:25
São Paulo (SP)

O Santos sofreu no início do ano para acertar com um zagueiro que substituísse o contestado Werley. Muitos foram os alvos, entre eles Gum, Thiago Heleno, Victor Ramos e Renato Chaves, mas a solução veio de um jovem do Paraná Clube.

O Peixe desembolsou cerca de R$ 1 milhão pela chegada de Luiz Felipe e pôs fim às especulações. Entre lesões e adaptação, o camisa 2 superou a desconfiança, agarrou a titularidade e assume neste domingo, às 19h30, diante da Chapecoense, na Arena Condá, o posto de zagueiro que mais defendeu o Santos nesta edição do Brasileiro.

Luiz tem pouco menos de oito meses de casa, o que para ele foi tempo suficiente para desbancar David Braz no início da competição e se firmar ao lado de Gustavo Henrique.

Até a bola rolar neste domingo diante da Chape, Luiz Felipe e Gustavo Henrique estão empatados com 24 jogos pelo Nacional. Com a lesão do companheiro, que só volta em 2017, o jovem ex-Paraná tem caminho livre para se tornar o dono da defesa.

– Quando cheguei, não imaginava ser titular tão rápido, mas sabia que se trabalhasse isso poderia acontecer. Meu pensamento era me adaptar rápido e trabalhar, e foi o que aconteceu. Me adaptei ao estilo de jogo do professor e logo virei titular. Fico feliz por essa marca, mas tenho que me dedicar cada dia mais para que esse número só aumente – disse Luiz Felipe, em entrevista ao L!.

Santos x Santos-AP
Luiz Felipe tem dois gols pelo Santos (Foto: Ivan Storti/Lancepress!)

Ao desfalcar o Santos no empate por 1 a 1 diante do Grêmio na última rodada por conta do terceiro cartão amarelo, o zagueiro viu Fábian Noguera ganhar a confiança da torcida com mais um gol marcado. No entanto, a confiança que vale é a de quem manda, e o técnico Dorival Júnior já confirmou que o camisa 2 volta à condição de titular nesta noite.

Eliminado da Copa do Brasil, o foco do Peixe passa a ser brigar pela terceira posição do Brasileiro, que dá vaga direta à fase de grupos da Libertadores, ou até mesmo pelo título – Santos está a nove pontos do líder.

Para embalar o Alvinegro de volta ao caminho das vitórias, Luiz Felipe estará praticamente em casa. Nascido em Florianópolis e “criado” por um período curto na base do Joinville, rival da Chapecoense, o camisa 2 espera ajudar a equipe a seguir sonhando com mais um título na temporada. Para isso, uma vitória seria fundamental...

– A gente sabe que é difícil jogar aqui. Times deles também está fazendo um belo campeonato. Mas vamos entrar focados, nosso foco agora é só no Brasileirão, não tem mais outra coisa para pensar – diz.

Confira um bate-bola exclusivo com Luiz Felipe:

Com o Dorival, você chegou a atuar até como volante. Como tem sido a experiência de trabalhar com um treinador moderno?
É um ótimo treinador. Gosto do estilo que ele joga. Apesar de ter sido pouco tempo (como volante), gostei, pude ajudar. É legal a gente poder ajudar em outra função. No decorrer do jogo ele acabou me colocando como volante, acabei fazendo uma função que não é a minha, mas me dediquei ao máximo para poder cumprir o que o professor pediu e ajudar o time.

Você nasceu em Santa Catarina. Tentou jogar em algum dos grandes clubes do Estado?
Não, nem tentei em jogar nos grandes. Quando jovem, apenas jogava em time não-profissional em Santa Catarina e logo já fui para o Joinville. Acabei saindo dali e indo para o Caxias. Iniciei no Joinville, mas foi um período curto.

O que fazer para se manter firme na condição de titular?
É manter, Manter o foco e o trabalho. Espero terminar o ano bem para que esse número só aumente.