Léo Saueia
10/06/2016
15:58
São Paulo (SP)

Se o torcedor santista teme a janela de transferências internacionais antes mesmo da abertura, em 20 de junho, este mesmo torcedor pode ficar menos apreensivo por conta da situação de um jogador especificamente: o meia Lucas Lima. O camisa 20, que serve à Seleção Brasileira, dificilmente será negociado.

O Peixe detém apenas 10% dos direitos econômicos do meia, e o presidente Modesto Roma Júnior já disse em diversas oportunidades que financeiramente não é vantajoso ao clube negociar Lucas Lima, a não ser pelo pagamento de sua multa rescisória, de 50 milhões de euros.

Como dificilmente algum clube aceitaria arcar com tal valor, o estafe do meia já trabalha com a hipótese de Lucas Lima permanecer no Peixe até o fim do contrato, que vale até dezembro de 2017. Mesmo com o desejo de ser negociado, o meia pode ser "convencido" a ficar por uma razão que justamente atormenta o Alvinegro: seus direitos econômicos.

Hoje, Lucas Lima não possui nenhuma porcentagem de seus direitos, e não receberia nada caso fosse negociado além de luvas (bônus por assinatura de contrato). Com o fim de seu vínculo com o Santos, passaria a ser detentor de 100% de seus direitos, podendo negociá-los com o clube que bem entender e ainda recebendo dinheiro por isso. 

De acordo com um dos empresários do atleta, Wagner Ribeiro, a tendência é de que Lucas Lima cumpra seu contrato com o Santos até o final e seja liberado para buscar novos interessados a partir de dezembro do ano que vem.

- O Santos não tem interesse em vendê-lo porque tem apenas 10% dos direitos. Se recebe uma proposta de 20 milhões de euros, fica com apenas dois. Com dois, não compra nem a perna de um Lucas Lima. A tendência é que ele fique até o fim do contrato - disse o agente, ao LANCE!.

Alvo do interesse de diversos clubes europeus e chineses, Lucas Lima já externou seu desejo de ser transferido para o Velho Continente. Seu futuro, contudo, deve ser mesmo na Vila Belmiro. Pelo menos até 2017...