Santos x Ituano

Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique formam as novas Torres Gêmeas (Foto: Ricardo Saibun/AGIF/Lancepress!)

Léo Saueia e Russel Dias
13/02/2016
08:00
São Paulo e Santos (SP)

Revelar novos talentos é tradição no Santos, mas na defesa nem sempre é assim. Enquanto os atacantes deslancham em grande número, os zagueiros revelados na base têm de ralar mais para conseguir o seu espaço.

Mas isso está prestes a mudar. Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique tentam se firmar como dupla de zaga formada na base, algo que não acontece desde 2004, quando André Luis e Alex, que chegaram ao Peixe ainda quando jovens, foram bicampeões brasileiros juntos.

Neste sábado, diante do Novorizontino, às 21h, fora de casa, pela quarta rodada do Paulistão, a dupla chegará a uma marca pequena, mas importante para quem quer ir mais longe. Com o quarto jogo consecutivo, Lucas, que tem 20 anos, supera Jubal, que em 2014 chegou a fazer três jogos seguidos ao lado de Gustavo Henrique.

E se engana quem acha que Lucas Veríssimo vai se contentar em substituir David Braz por um tempo ou "guardar" o lugar para um novo reforço. Aliás, quando se diz isso a ele, a resposta é imediata e sincera.

- Se depender de mim, espero me manter jogando e melhorar cada vez mais. É uma satisfação ter essa sequência, o próximo jogo será o quarto consecutivo e espero manter - disse, em entrevista exclusiva ao LANCE!

Assim como a dupla de 12 anos atrás, que tinha o apelido de "Torres Gêmeas", por causa da altura e da semelhança física, Lucas e Gustavo não ficam para trás. O camisa 2 tem 1,96m de altura, enquanto o mais novo tem 1,88 m. E quem quiser cruzar na área do Peixe terá que pensar duas vezes antes de se arriscar.

- Com certeza. Além da boa estatura, somos bons pela bola aérea. Já vi bastante gente com boa estatura só que não tira muito proveito da bola aérea, mas nós dois vamos aproveitando, tanto é que ele (Gustavo) fez um gol de bola ofensiva no último jogo e tive oportunidade também - afirmou Lucas Veríssimo

De olho em repetir a história de conquistas da última zaga formada em casa, Gustavo Henrique e Lucas Veríssimo terão de suar muito. E nada melhor do que engatar uma grande sequência como titulares para se firmarem cada vez mais. Três jogos já foram. Vão chegar a quantos?

Confira um bate-bola exclusivo com Lucas Veríssimo:

Você sabia que a última zaga com jogadores formados na base que durou mais de quatro jogos foi André Luis e Alex?
Não lembrava (risos). Faz muito tempo. Graças a Deus venho dando sequência e espero manter.

A todo momento saem notícias sobre um novo zagueiro na mira do Santos. Come isso te afeta?
Acompanho as notícias do esporte, vi até que o Werley poderia voltar, mas voltando ou não, vou continuar fazendo a minha parte, treinando forte do jeito que venho fazendo e fico à disposição do professor, é ele quem manda e quem coloca ou não para jogar. Estarei à sua disposição e fazendo a minha da melhor forma.

O que o Dorival te fala a respeito de novos zagueiros?
Apenas para não dar ouvido ao que vem de fora e procurar dentro de campo a fazer a minha parte e a dar meu melhor para ajudar.

Você veio do Linense e está acostumado ao interior. Isso pode te favorecer no Paulistão?
Joguei lá por mais de um ano, sou adaptado àquela região. Conheço bastante, agora no fim de semana estarei lá. Contra o Novorizontino joguei na base também e agora é no profissional. Espero que nossa equipe possa sair de lá com a vitória.

Quando dizem que zagueiro bom é aquele que chega forte é verdade ou só lenda de interior?
Papo furado (risos)! Isso é antigo, meu pai mesmo falava isso para mim. Mas hoje em dia tem que ser técnico, bom pelo alto, bom por baixo, precisa sempre procurar melhorar. Você não precisa ser perfeito em cada detalhe, mas precisa procurar melhorar em tudo que você puder.

Você e o Gustavo Henrique são altos. Quem quiser cruzar na área do Santos tem que ser corajoso?
Além da boa estatura, somos bons pela bola aérea. Já vi bastante gente com boa estatura só que não tira muito proveito da bola aérea, mas nós dois vamos aproveitando, tanto é que ele fez um gol de bola ofensiva no último jogo e tive oportunidade também. A gente vem trabalhando, espero que tenhamos oportunidades ofensivas e nas defensivas façamos nosso melhor para não tomar gol.