Zeca, do Santos

Aos 21 anos, Zeca tem 53 jogos pelo profissional do Santos e nenhum gol feito (Foto: Ricardo Saibun/Santos FC)

Gabriel Carneiro
04/01/2016
08:00
São Paulo (SP)

Religioso e dono de uma tatuagem de terço com dizeres cristãos no peito, o garoto Zeca cita Deus em praticamente todas as respostas desta entrevista concedida ao LANCE!, dois dias antes da reapresentação do Santos para a temporada de 2016. Antes de iniciar seu primeiro ano como titular incontestável da lateral esquerda do Peixe, o jovem de 21 anos adota uma outra referência para explicar e agradecer por sonhos realizados no ano passado. Esta, de carne e osso, responde por Dorival Júnior.

– Primeiro agradeço a Deus, sempre. E depois por ele ter colocado o Dorival no Santos. Eu sempre chegava em casa chateado por não ter oportunidade, mas o Dorival foi um homem de Deus, chegou, deu oportunidade, moral, confiança, conversando comigo sempre. Devo muito a ele. Sem palavras – explica Zeca, que aos 21 anos nutre o sonho de disputar a Olimpíada do Rio de Janeiro neste ano, pela Seleção.

"Eu sonho grande, quero fazer história, chegar nas finais, ganhar títulos, ser ídolo. Está bom, né?", brinca o jovem lateral


O sonho de Zeca não parece impossível. Nem distante. Para quem estava quase deixando o clube em julho do ano passado e na última hora confiou em uma troca no comando, ansiar por novas convocações para o time sub-23 nacional não é nenhum absurdo. Convocado duas vezes, e cortado em uma delas por lesão, Zeca "sonha grande", como na afirmação que abre esta entrevista. Nas palavras, tanto quanto dentro de campo, tenta mostrar a maturidade que o fez rejeitar sondagens de fora pela meta de ser ídolo do Santos. Como Léo, seu inspirador e conselheiro, hoje dirigente. Ao L!, Zeca fala em sonhos realizados, sonhos a realizar e meta para 2016: título pelo Peixe.

CONFIRA O BATE-BOLA COM ZECA
Lateral-esquerdo do Santos, ao L!

Antes do Dorival chegar, em julho, você quase saiu pela falta de chances. O que faltou?
Eu estava negociando para ser emprestado ao Columbus, dos Estados Unidos. Passaporte na mão, tudo certo mesmo. Achei que era a melhor decisão, porque eu sempre me esforcei, treinei bem, mas tem a hora em que você precisa jogar. Aí apareceu a oportunidade que eu tinha de jogar lá fora, todo mundo olhando, um mercado que cresce. Mas no dia em que eu teria a reunião Deus colocou o Dorival no Santos.

Ele falou algo para te convencer a ficar? Como foi?
Na realidade eu nem sabia que ia ser aproveitado, foi surpresa. Fiquei muito feliz, na hora naturalmente decidi que ia ficar, porque sempre quis atuar pelo Santos, ainda mais como titular. Todo mundo quer, é o time do Rei, dá oportunidade aos jovens. Aí o Dorival me deu essa chance e deu certo. Eu agarrei, me firmei e terminei o ano assim.

Zeca e Dorival Júnior, do Santos
Zeca e Dorival Júnior durante treino no CT (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Pesa o Santos dar chances aos jovens no time principal? Em 2016 será assim outra vez?
Sim e isso é importante demais, porque sempre revela jogadores. O Santos tem essa qualidade de tratar a molecada diferente, dando moral, a torcida dando moral para jogar bem, os mais experientes trazendo tranquilidade. O fato de não precisar contratar muito é porque está mantendo a base de 2015 e subindo garotos. Eu fui da base e você chega no profissional querendo dar tudo.

Você chegou à Seleção olímpica em 2015. Espera o que agora?
Jogar a Olimpíada e ser campeão com o Brasil pela primeira vez. Tenho que fazer por merecer, sempre lembrando que eu sou um cara versátil, jogo até de volante. Conversei com as pessoas que por ser versátil eu posso chegar na Olimpíada, jogo em três posições. Isso é um ponto favorável no meu sonho de poder atuar na Seleção. Lá eu joguei na direita, e aqui no Santos fico mais na esquerda. Vamos trabalhar para realizar esse sonho.

Durante o segundo semestre você foi apontado como alvo do Benfica. Por que não quis sair?
Eu conversei com meus pais, avós e a cabeça está no Santos, estou focado no Santos. Em 2016 temos muita coisa a fazer, título para disputar. Aí depois disso pode ter algum clube com interesse. Vi que teve a história do Benfica, mas ninguém nunca me ligou oficialmente mesmo, não falaram nada. Fiquei feliz, porque é grande clube, qualquer atleta quer atuar, mas tenho calma nessa situação.

E o que deseja para 2016?
Desejo que o elenco mantenha a harmonia. Penso em ganhar títulos, ganhando títulos e seguindo a vida no Santos eu vou estar realizado. Tenho fé em Deus que se a gente acreditar e lutar podemos chegar em todas as competições. O ano de 2015 foi ótimo, excelente, mas o Santos merece muito mais, tem que ser campeão. Basta colocar na cabeça isso. Eu sonho grande, quero fazer história, chegar nas finais, ganhar títulos, ser ídolo. Está bom, né?