Léo Saueia e Russel Dias
16/09/2016
06:10
São Paulo e Santos (SP)

Parecia difícil para o Santos chegar otimista à reta final do Brasileirão. Mas o cenário, antes mais obscuro do que limpo, mudou após duas vitórias consecutivas que levaram a equipe de volta ao G4 após quatro rodadas. A seis pontos do líder Palmeiras, o Peixe ainda tem motivos de sobra para sonhar.

E as principais lições que hoje estão na bagagem foram adquiridas justamente nos dois últimos jogos, quando a alegria deu lugar à raça e o coração prevaleceu à técnica. O Peixe agora "sabe sofrer".

- Tem momentos que tem que valorizar, mesmo fugindo às características da equipe. São jogos com outra conotação. Essa partida foi brigada. O Botafogo é vibrante, agressivo, assim foi o Santos também. Soubemos nos defender. Aprendemos a sofrer. Conquistamos um grande resultado. Tenho que reconhecer mais do que criticar - disse o técnico Dorival Júnior após a vitória no Rio de Janeiro.

Pela frente, o Peixe tem esperanças de permanecer no G4 e, por que não, sonhar com o troféu. Se em 2015 o "pecado" alvinegro foi pontuar fora de casa - teve apenas uma vitória e dez pontos conquistados longe da Vila -, este ano o rumo é outro. A 13 rodadas do fim do Brasileiro, o Peixe somou 14 pontos fora.

Outro trunfo diante das outras equipes passou a ser o técnico Dorival Júnior. Após a demissão de Roger Machado do Grêmio, ele é o único treinador da Série A que permaneceu em sua equipe desde o início da temporada, e os jogadores vibram com a sequência da filosofia.

Se as derrotas para os times que estão na parte inferior da tabela também serviram como lição, o santista tem muito mais que uma dose de otimismo para tomar até a 38 oitava rodada. O retorno à Libertadores parece mais próxima. Que 2015 também sirva de lição!