Luiz Felipe (foto:Ivans Storti/LANCE!Press)

Luiz Felipe recebeu elogios do técnico Dorival Júnior (foto:Ivans Storti/LANCE!Press)

LANCE!
12/08/2016
15:49
Santos (SP)

Recheado de desfalques para o duelo deste domingo, contra o Atlético-MG, na Vila Belmiro, o técnico Dorival Júnior ainda não definiu todos os pontos da escalação do Santos. Mesmo sem Vanderlei, Lucas Lima, Zeca, Thiago Maia e Gabigol, a dúvida do comandante é outra.

Retornando de suspensão, o zagueiro Luiz Felipe deve ganhar a posição de David Braz, que foi titular na derrota para o América-MG. De acordo com Dorival, Luiz vem crescendo de produção, enquanto Braz ainda sofre com limitações por conta da lesão sofrida na coxa recentemente.

- Ainda não está decidido. Darei minha posição até amanhã. Luiz vem crescendo de posição, David vem de uma recuperação completa de lesão que incomodava, que prejudicava ritmo de treinamento, e dificultando movimentações na partida. Natural que eu tenha que ter calma até o último momento para saber como iniciamos a partida - explicou. 

Mesmo atuando em casa, Dorival vê o Galo como favorito para o confronto, principalmente por conta da qualidade do elenco adversário. Para justificar sua posição, o treinador ainda citou os desfalques do Santos para este domingo.

- Eu acho que pelo crescimento do Atlético, é natural (o favoritismo). Estamos sem metade da equipe, isso desequilibra. Eles também passaram por isso. Mesmo com elenco qualificado, como o do Atlético, se sente muito, com elementos habituados. Queira ou não acontece com o Santos. Fizemos um levantamento ontem e Ricardo Oliveira vai fazer a quarta partida, Lucas Lima e Gabriel, 10. David Braz, 5. Pessoal que estreou, Copete e tal, jogou oito... a partir do momento que tenhamos todos juntos, recuperados, pode ter certeza que teremos equilíbrio e crescimento. Vai demorar um pouco durante esse momento olímpico, prejuízo é grande. Se dessa forma que jogamos, estamos na frente, porra, podemos com certeza também dar uma aproximada ainda maior e arrancada que gostaríamos que acontecesse. Temos confiança muito grande de que, com todos, podemos brigar.