LANCE!
04/06/2017
18:57
Santos (SP)

Antes de se desligar por completo do Santos, o técnico Dorival Júnior fez um comunicado ao elenco, via assessoria de imprensa, e agradeceu pelos quase dois anos de trabalho. Um dia depois da quarta derrota em quatro clássicos no ano a terceira no Brasileirão, o treinador teve uma reunião com a diretoria e foi dispensado. 

Nesta temporada, com seis reforços esperava-se que o Peixe engrenasse. No entanto, a equipe oscilou e foi eliminada nas quartas do Paulistão, além de ter um início ruim no Campeonato Brasileiro.

Por outro lado, o Alvinegro terminou a primeira fase da Libertadores como o único brasileiro invicto na competição e com a classificação antecipada às  oitavas - Na Copa do Brasil está nas quartas de final.

Dorival assumiu o time do Peixe em crise em sua segunda passagem. A equipe da Baixada Santista ocupava a 18° colocação do Campeonato Brasileiro. Ele conseguiu uma arrancada e recuperou os resultados, tirando o time da zona de rebaixamento e encerrou a competição em 7° lugar e na Copa do Brasil em 2°.

No comunicado, Dorival cita jogadores que cresceram sob seu comando, a aposta na base, a disputa por títulos e lembra que não quis deixar o clube no fim de 2016 por acreditar que poderia ter uma conquista maior este ano. O treinador também ressaltou a busca por um futebol agradável. 

Confira na íntegra :

"Hoje fui comunicado pela direção do Santos Futebol Clube sobre meu desligamento.

No fundo, quando decidi permanecer treinador do Santos em 2017, eu sabia que seriam dois caminhos: a glória ou pressão. Faz quase dois anos que retornei ao clube e pouco existe da realidade que encontrei.

De um time que flertava com o rebaixamento, hoje saio com título conquistado e tendo estado na parte de cima da tabela em todas as competições.

Deixo com orgulho os quase 65% de aproveitamento em dois anos, mas não é isso que ficará marcado. Levo na memória a busca por jogar bem, por tentar criar um time que proponha um futebol mais bonito de ser visto, como é o DNA do Santos.

Bacana ver os filhos que essa passagem deu. Zeca e Thiago Maia, campeões olímpicos. Gabriel vendido depois de recuperar o futebol. Sair de opção no banco para ser titular. Depois para a Seleção e para o futebol europeu. É gratificante retomar o projeto da base, e ter, além deles, o Lucas Veríssimo como realidade; e os meninos Artur e Matheus ganhando corpo.
Sem esquecer do Vitor Bueno, que não é exatamente da base. Mas que foi contratado novo, por tão pouco e é um dos artilheiros do time desde que virou titular.

Foram muitas as possibilidades de sair do clube no final do ano passado, mas a vontade de fechar esse ciclo com um grande título falou mais forte. Infelizmente, o trabalho foi interrompido antes que pudesse ocorrer.

De toda forma, muito obrigado ao Santos e à torcida. Meu carinho e respeito aos funcionários do clube, em especial aos que convivia todos os dias no CT, todos vocês me ajudaram muito.

E mais que tudo, obrigado aos jogadores. Todos: aos mais novos que sempre quiseram aprender. E aos mais velhos, os que já tinha trabalhado e os que conheci aqui. Foi muito gratificante trocar experiências com todos, ouvir e falar de futebol em busca de constante melhora.

Todos vocês, durante esses quase dois anos, foram leais e acreditaram que era possível jogando bem."