Mesmo na final da Copa do Brasil, Dorival não esquece da briga pelo G4 do Brasileiro

Técnico do Peixe tem 32 jogos até agora e soma 21 vitórias, seis empates e cinco derrotas no ano (Foto: LANCE!Press)

LANCE!
27/11/2015
16:31
Santos (SP)

O técnico Dorival Júnior abriu sua entrevista coletiva desta sexta-feira dizendo que tentaria falar mais sobre o próximo jogo do Campeonato Brasileiro, domingo, diante do Vasco, do que da segunda partida das finais da Copa do Brasil, na próxima quarta-feira, fora de casa, contra o Palmeiras. Porém, o tema arbitragem exigiu as respostas mais firmes do comandante em razão das queixas de jogadores e diretoria do Verdão sobre polêmicas da arbitragem no primeiro jogo.

Na Vila Belmiro, os palmeirenses reclamaram especialmente de um pênalti não marcado pelo árbitro Luiz Flavio de Oliveira aos cinco minutos do segundo tempo, em dividida de David Braz e Lucas Barrios. Segundo o presidente do clube, Paulo Nobre, o Palmeiras foi "vergonhosamente prejudicado" no jogo de ida das finais, o que levou o clube a confeccionar um DVD com esse e outros supostos erros. Para Dorival, a queixa do rival não tem razão de ser.

- Nesse DVD foram incluídos também os dois jogos do Fluminense ou não? Então vamos pegar esses dois jogos, os 90 minutos do jogo com o Santos e aí sim faremos o DVD. Então vamos ver quem vai estar pressionado ou não. Os erros aconteceram dos dois lados - argumentou Dorival, antes de citar que também sentiu o Santos prejudicado na Vila Belmiro:

- Só vou relembrar que antes dessa reclamação da penalidade, que na minha ótica aconteceu, tivemos um lance que seria desclassificação, fatalmente o Palmeiras jogaria com um a menos desde o primeiro tempo (o lance a que Dorival se refere foi uma dividida entre Jackson e Ricardo Oliveira, aos 30 do primeiro tempo). Se tem alguém que tem que reclamar também é o Santos, não saímos totalmente satisfeitos com a arbitragem, até porque o jogo teve 40% de bola rolando, isso não é fato normal. Naquela noite o Luiz (Flavio de Oliveira) não se encontrava dentro de uma normalidade, porque é um grande árbitro, seguro, e que principalmente nesse sentido jamais deixaria que acontecesse. Se tem alguém que foi muito prejudicado ao longo dos 90 minutos foi o Santos. O peso desse DVD teria que ser compensado e mostrado não só a penalidade - completou o técnico do Santos.

Luiz Flavio de Oliveira, árbitro sorteado para a partida, só apitou até os 22 minutos do segundo tempo, quando sentiu um incômodo e foi substituído por Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza. A CBF defendeu as marcações realizadas pelos dois árbitros na final da Copa do Brasil. O sorteio de quem apitará o segundo jogo será realizado na próxima segunda-feira.