Dorival Júnior - Santos

Dorival montou a pré-temporada em torno da posse de bola (Foto: Ricardo Saibun / Santos FC)

Léo Saueia e Russel Dias
11/02/2016
06:55
São Paulo e Santos (SP)

50 minutos do segundo tempo. O time empata com o Ituano em casa e o clima nas arquibancadas é hostil. Eis que o Santos tem a bola em seu campo de defesa. Nessa hora, era aceitável um chutão para frente, na esperança de que Ricardo Oliveira resolvesse.

Mas o Santos fez o que está instruído a fazer. Tocar a bola. O time tocou, tocou pacientemente até a bola chegar na área e sofrer o pênalti no último minuto da partida para sair vitorioso de sua casa.

O toque de bola envolvente do Peixe tem explicação e são ordens de cima. Diariamente o técnico Dorival Júnior trabalha a posse de bola no CT Rei Pelé. Costume? Estilo de jogo! Jogo este que já está provado.

Nos números, o Santos já é disparado o time que mais troca passes e que mais tem a posse de bola neste início de Campeonato Paulista.
Na média das três partidas disputadas até aqui, o Alvinegro ficou com a bola no pé por 19 minutos.

E tudo isso tem um objetivo.

- A gente tem um time muito forte no contra-ataque, de transição rápida. E era isso (troca de passes) que a gente queria melhorar. Estamos tendo uma boa resposta nesse início de ano. São três jogos, ainda é muito pouco, mas a gente já está vendo um pouco do resultado - explica Leonardo Porto, analista de desempenho do Santos, que monitora os números do time em jogos e treinamentos, ao LANCE!

O aumento na troca de passes foi um pedido de Dorival Júnior. E se engana quem acha que o Peixe é uma imitação da equipe que mais toca a bola no mundo, o Bayern de Munique (ALE), comandado por Pep Guardiola, conhecido mundialmente por implantar o "tiki-taka" no Barcelona.

Embora Dorival tenha visto de perto o trabalho do espanhol, ele acredita que é assim que os Meninos da Vila podem chegar mais perto do gol, seja dentro ou fora de casa.

- A gente não se preocupa com número de passes. Queremos posse e bom aproveitamento para isso criar chances de gol - explica o analista.

Confira um bate-bola com o analista de desempenho do Santos:

O departamento de análise de desempenho tem esse controle de números de passe?
Sim, um de nossos objetivos neste ano foi justamente esse: ter qualidade de passe e aproveitamento melhor de passe. Desde que acabou a temporada e fomos montar exercícios, procuramos dar ênfase na troca de passes da equipe. Trabalhamos isso ao longo de toda a pré-temporada

Qual o objetivo dessa troca de passes com altos números?
A gente na verdade não se preocupa com número de passes, se teve posse de bola. Queremos posse, queremos bom aproveitamento de passe, mas para isso criar chances de gol. Então a posse de bola, troca de passe é uma ferramenta para conseguir finalização ou situação de gol.

Como o departamento faz essas análises e levantamentos?
Durante o jogo a gente trabalha lá em cima com os scouts. Depois a gente ainda tem o relatório que recebemos de uma empresa que faz dados.

Confira, em minutos, a posse de bola das equipes no Paulistão:

SANTOS - 19:46
OSASCO AUDAX - 16:13
FERROVIÁRIA - 15:21
NOVORIZONTINO - 14:48
PALMEIRAS - 14:15
SÃO PAULO - 14:09
CAPIVARIANO - 13:26
CORINTHIANS - 13:22
OESTE - 12:47
LINENSE - 12:46