Russel Dias
24/08/2016
06:00
Santos (SP)

Gabigol e a Copa do Brasil. Palavras que se combinam como poucas no futebol. É com essa combinação que o Santos comemora o fato de poder escalar o time com força total depois de mais de três meses desfalcado.

Nesta quarta-feira, diante do Vasco, às 19h30, na Vila Belmiro, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil, o técnico Dorival Júnior poderá escalar um time com Zeca, Thiago Maia, Lucas Lima, Ricardo Oliveira e, principalmente, Gabigol.

Seria Gabriel o mais importante desse time? Na teoria, todos se equivalem, mas quando o assunto é Copa do Brasil, o jovem de 19 anos parece se sentir mais à vontade.

Aos 18 anos, ele chegou a 15 gols na competição, somada duas edições, e superou até Neymar.

– São boas lembranças. É muito bom ficar na história de um clube como o Santos, ter esse reconhecimento. Foram gols que puderam ajudar nossa equipe nas campanhas destes anos. Agora é uma nova história, um novo começo e espero que o título possa vir para a Vila esse ano – comenta o garoto, agora dono de uma medalha de ouro.

E sua primeira partida pelo Alvinegro após retornar da Seleção Brasileira pode ser também uma das últimas. Depois da Olimpíada, Gabriel já foi chamado por Tite para jogar contra Equador e Colômbia pelas Eliminatórias da Copa do Mundo e retorna à Seleção semana que vem.

Na mira de italianos como Juventus e Inter de Milão e a sete dias do fim da janela de transferências para a Europa, Gabigol pode nem jogar mais a Copa do Brasil, já que o jogo da volta contra o Vasco em São Januário será no dia 21 de setembro.

Antes mesmo da saudade bater, se é que ela vai chegar, o que fica são as boas memórias, como a de seu primeiro gol como profissional do Santos, em 2013 na... Copa do Brasil.

– Me lembro muito bem daquele gol, foi o início de tudo. É uma noite que jamais vou esquecer. Muita coisa aconteceu depois daquele dia. Amadureci muito, aprendi, fui campeão olímpico... E agora esse reencontro com a Copa do Brasil, Vila Belmiro. Espero ser feliz novamente – projeta o apaixonado pela Copa.