Léo Saueia e Russel Dias
13/10/2016
06:50
São Paulo e Santos (SP)

São muitos gols. Para ser mais exato, 54. Em sua segunda passagem pelo clube, Ricardo Oliveira é, sem dúvidas, o maior nome do ataque do Santos, principalmente após a saída de Gabigol.

Entre as 27 vítimas, de diferentes níveis e graus de importância, o camisa 9 e capitão do Peixe terá pela frente nesta quinta-feira, às 21h, no Pacaembu, pela 30 rodada do Brasileirão, seu rival predileto: o São Paulo, clube onde também tem história e contra o qual mais marcou pelo Alvinegro.

As duas passagens pelo clube do Morumbi, que excepcionalmente nesta quinta manda jogo no Pacaembu, não são suficientes para o Pastor Ricardo Oliveira ter compaixão com o adversário. Foram sete gols em seis clássicos disputados desde 2015.

Atrás do Tricolor, surge outro rival, o Corinthians, que sofreu cinco gols do artilheiro. Depois, vêm Palmeiras e Atlético-MG, com quatro. 

São Paulo x Santos (Foto:Ivan Storti/LANCE!Press)
Ricardo Oliveira tem sete gols marcados contra o São Paulo nesta passagem pelo Santos (Foto:Ivan Storti/LANCE!Press)

O reencontro desta noite, porém, será o primeiro deste ano por conta de convocações para a Seleção e uma lesão no joelho. O camisa 9 garante não se apegar aos números.

– Os números são importantes, mas quando entramos no campo, tudo é muito diferente. Um clássico é muito difícil e complicado. Não podemos nos apegar muito a isso e cada jogo é um jogo e completamente diferente. Não me apego muito a isso – disse o centroavante, ao LANCE!.

Se o artilheiro afirma não se importar com os números, o torcedor santista certamente tem em seu capitão a esperança de gols para vencer mais um clássico e, quem sabe, manter vivo o sonho do título.

Já com sete pontos de vantagem em relação ao Botafogo, primeiro time fora do G6, o Santos busca uma vaga entre os três primeiros para evitar repescagem na Libertadores do ano que vem. Para isso, Ricardo Oliveira sabe que seus gols serão de extrema importância no San-São.

– Uma vitória contra o São Paulo nos coloca cada vez mais dentro do que havíamos proposto para esta temporada, que é terminar o mais alto possível na competição. São adversários difíceis, mas, vencendo, vamos nos consolidar na parte alta.

Mesmo sem torcida para gritar “Ah, é Oliveira!”, o capitão promete dar trabalho. Vai pagar para ver?

Confira um bate-bola exclusivo com Ricardo Oliveira:

Por conta de seu retrospecto, acredita que terá marcação especial da defesa do São Paulo?
Toda a nossa equipe vai ser bem marcada e ter uma atenção especial. Todos estudamos os adversários que vamos jogar, procurando tirar alguma vantagem. Não acredito que vão ter uma atenção especial, mas sim uma atenção com cada ponto forte contra quem se enfrenta. Vou procurar fazer o meu melhor, procurar os gols, para consequentemente vir uma vitória, algo muito importante para a nossa continuidade no torneio.

Vocês jogadores comentam que ainda há chance de título para o Santos. Qual o maior desafio?
Nós atletas decidimos colocar o nosso foco jogo após jogo. Estamos na parte alta da competição, entre os quatro primeiros, e vamos em busca dos objetivos. Procurando passar por cada obstáculo e cada adversário como se fosse uma final. Temos a possibilidade de terminar a competição entre os primeiros colocados e buscar uma vaga na Libertadores. O título não podemos dizer que não temos chances, pois matematicamente temos chances, mas vamos jogo a jogo, em busca das vitórias, para ver onde vamos poder terminar.

Poder disputar a Libertadores é o que mais motiva vocês?
A Libertadores é um campeonato especial, diferente, onde equipes como o Santos sempre têm bom desempenho. Dá prestígio ser campeão ou ir avançando. Para o clube também é importante, pois rende recursos financeiros. Vamos dar o melhor para que essa vaga possa acontecer.O Santos merece isso.