Treino Santos - Vanderlei e Vitor Ferraz (foto:Ivan Storti/LANCE!Press)

Vanderlei e Victor Ferraz são amigos de longa data, desde a época de Coritiba (foto:Ivan Storti/LANCE!Press)

Léo Saueia e Russel Dias
11/03/2016
06:55
São Paulo e Santos (SP)

Imagine ter de corrigir os erros do seu colega de trabalho aos gritos para que ele consiga ouvir. Imagine ter que dizer que ele falhou ou elogiá-lo quando se deve. Nada seria estranho se uma relação como essa fosse conturbada, mas Vanderlei e Victor Ferraz conseguem fazer isso desde 2012 e ainda são amigos fora dos campos.

Companheiros de defesa no Coritiba, eles reeditam a parceria no Peixe, com uma amizade fortalecida. Campeões paranaenses em 2013, eles têm também o Paulista de 2015 no currículo, mesmo que com o goleiro machucado à época.

O que eles preservam, além da amizade, são bons números. Na conquista do Estadual de 2013, o Coxa levantou a taça com uma ótima defesa. No primeiro turno foram apenas quatro gols sofridos em 11 jogos. Ao fim do campeonato, foram 20 gols levados em 24 partidas, a terceira melhor defesa.

Neste ano, o caminho tem sido parecido. O Alvinegro levou oito gols até agora, dois a menos do que a melhor defesa do Paulista, a do Corinthians, que sofreu seis.

- Não tomávamos muitos gols no ano passado. Agora estamos em começo de temporada ainda, mudamos um pouco, mas estrutura e qualidade são as mesmas. Se não dermos espaços, os adversários não conseguem entrar na nossa defesa - explica o camisa 1 santista, tido pelo lateral-direito como "olhos" da defesa. 

E não é somente nos estaduais que a dupla defensiva está acostumada com as finais. Na Copa do Brasil, eles também estiveram em duas decisões, uma pela Coritiba e outra pelo Santos. Mas acabaram perdendo ambas para o Palmeiras.

Embora isso nunca tenha os abatido, a gana por mais taças segue sendo o que guia a parceria dentro de campo e a amizade entre goleiro e lateral-direito. Se o Peixe conseguir o bicampeonato paulista, Vanderlei e Victor poderão celebrar de novo um título em que os dois estejam em campo, já que em 2015 o arqueiro estava se recuperando de lesão na face que o tirou de parte do torneio, inclusive da final contra o Verdão.

Enquanto Ricardo Oliveira e companhia sonham com um título repleto de gols, os amigos de longa data querem mais uma lembrança com troféus. Que seja, entretanto, com poucos gols sofridos.