Dorival Júnior - Santos

Dorival foi o único técnico a levar o Santos ao G4 desde 2010 (Foto: Ivan Storti / Santos FC)

Russel Dias
03/04/2016
07:00
Santos (SP)

A Dorival Júnior, os números interessam, mas só quando se referem à posse de bola do Santos, ou ao número de finalizações em uma partida. Quando o assunto é sua trajetória no Peixe, pouco importa, já que ele tem sempre o que resolver no clube.

Mas saiba você, Dorival, que neste domingo, quando o já classificado Santos vai ao interior encarar o Capivariano, às 18h30, os números têm novamente o que lhe dizer. Mais do que isso. Fazem uma avaliação.

Quando a bola rolar, será o 50º jogo do treinador à frente do Peixe em sua segunda passagem. Com este, vem outro número: o aproveitamento. Em 49 partidas desde 2015, foram 29 vitórias, 12 empates e oito derrotas, o que significa um aproveitamento de 67%.

Mesmo não tendo vencido os jogos que gostaria, como Vasco e Coritiba no Brasileirão do ano passado, ou mesmo a final da Copa do Brasil contra o Palmeiras, que levaria o Alvinegro à Libertadores, Dorival tem o que comemorar. Isto porque em sua primeira passagem pela Vila Belmiro, em 2010, em que ganhou a Copa do Brasil e tinha Ganso, Neymar e companhia, seu aproveitamento foi de 65%.

Já que a matemática tem o que dizer ao Santos, é bom ouvir. Em relação aos últimos seis anos, o Peixe pontuou menos na atual fase do Paulistão, mesmo classificado. Em 2016, foram cinco empates e uma derrota em 13 rodadas do Estadual. E o próprio Dorival sabe que o Peixe tem muito a aprimorar.

– Eu acho que é um grupo que está crescendo, ainda tem espaço para crescer, mas ainda precisamos de alguns elementos que venham para reforçar esse grupo. Não atingimos nosso melhor dentro do campeonato, mas são garotos que mostram crescimento dentro do campeonato – opina.