Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro pode não ficar pronta para a disputa da Olimpíada

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro pode não ficar pronta para a Olimpíada (Foto: Shana Reis/Governo do Rio)

LANCE!
20/02/2016
16:46
São Paulo (SP)

Uma das principais obras para a Olimpíada do Rio de Janeiro pode não ficar pronta a tempo. Dessa vez, não se trata de uma demora na construção de uma arena, e sim um trecho da Linha 4 do metrô. De acordo com o diário "O Globo", o prefeito do Rio, Eduardo Paes, teria comunicado ao Comitê Olímpico Internacional (COI) sobre o atraso e segue em busca de uma alternativa para resolver o problema.

A linha é um dos principais pontos de acesso para o Parque Olímpico do Rio de Janeiro, e é a base do plano de transportes traçado aos Jogos, além de ser parte essencial do Plano de Políticas Públicas do evento (legado da Rio-2016). Um plano alternativo já estaria sendo estudado, de estender um trecho provisório do BRT (sistema de ônibus) na Zona Sul, com a criação de corredores.

O motivo do atraso na construção seria a demora no repasse de verba de um novo financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 1,3 de bilhão, o que elevaria o custo total da obra para R$ 10,3 bilhões.

O trajeto alternativo ligaria a Praça General Osório, em Ipanema, ao Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, suprindo a ausência de seis estações da linha do metrô. Além desses pontos de parada, cinco estações estariam em funcionamento durante a competição.

Em um e-mail ao COI, Eduardo Paes mostrou preocupação com o andamento da construção, e optou por marcar uma reunião com Phillip Bovy, consultor da entidade internacional para transportes.

"Nas últimas semanas, estive tentando descobrir o que realmente está acontecendo na construção da Linha 4 do metrô. Prazos e cronogramas... Ouvi de algumas pessoas que o projeto está com nível elevado de risco”, escreveu o prefeito, em um dos trechos, antes de completar:

"Como Phillip (Bovy) chega na segunda-feira, eu sugiro que façamos uma reunião de emergência com o nível estadual para checar o que está acontecendo. O secretário municipal (de Transportes) Rafael Picciani já preparou uma alternativa que acredito que devemos começar a estudar agora e submetê-la à avaliação do Comitê Olímpico Internacional".

As adaptações alternativas custariam ao governo R$ 7,4 milhões, mas teriam empecilhos, como a necessidade de o município dispor de uma frota de 115 ônibus articulados.

As obras na Linha 4 do metrô tiveram início em 2010 e, de acordo com a reportagem, o estado calcula que, até a inauguração do trecho, terá investido R$ 8,5 bilhões no projeto, com mais R$ 1,2 bi provenientes da Concessionária Rio-Barra (responsável pela operação).