Time GB

Time da Grã-Bretanha voltando para casa após a Rio 2016 (Foto: Reprodução)

LANCE!
24/08/2016
16:57
The Guardian (ING) POOL do LANCE!

Debaixo de sol forte e um céu azul, o Time da Grã-Bretanha das Olimpíadas voltou para casa enfeitado de medalhas e ansioso para receber algum dinheiro - mas, acima de tudo, sonhando com a comida britânica. 

"Fish e chips", disse Jonny Brownlee, visto por último rolando no chão nos braços de seu irmão Alistair depois que venceram a prata e o ouro no triatlo. "Não como fish e chips há meses. Estou ansioso por isso". Jonny Brownlee já havia tido, disse feliz, uma "ótima refeição" no voo de volta para casa.

Dina Asher-Smith, vencedora do bronze no revezamento feminino, pareceu pensativa. "Estou ansiosa para comer algo muito pesado - não faço há muito tempo", ela disse.

Para o nadador Adam Peaty, que corou furiosamente quando suas medalhas de ouro e prata colidiram juntas e soaram como um sino de igreja, a festa da comida já começou. "Fui ao McDonald's nos últimos sete dias", ele disse. Depois adicionou: "É liberado na Vila, então realmente fiz isso. Mandamos alguém comprar de manhã e eles voltavam com quase 20 hambúrgueres.  Era ótimo". Com suas competições terminadas, ele teve uma ótima estadia no Rio. "Tive muitas memórias. Talvez não apropriadas. Definitivamente não são apropriadas".

Cada um dos membros da delegação - os vencedores das 92 medalhas desceram pelos degraus da frente, e os outros membros da equipe e pessoal de apoio surgiram de forma mais modesta da parte de trás do avião - foram recebidos com comemorações fortes dos membros da British Airways que estavam na área de pouso.

A tripulação do voo os encheu de champanhe durante a viagem e tocou o hino nacional, depois de esperar nos degraus e aplaudir cada um dos 320 atletas e membros de apoio que saíram do avião, com o último saindo quase meia hora depois do pouso.

"Perfeito, foi absolutamente perfeito - e eles merecem", disse o capitão Allister Bridger, piloto da British Airways, que também levará a equipe paralímpica de volta do Rio no próximo mês.

Com o fim da competição no Rio, Tóquio 2020 - e a terrível expectativa de que as medalhas deste ano poderiam ser melhores - já está na mente dos organizadores do Time GB. "Será difícil - Tóquio será ainda mais difícil", disse Bill Sweeney, chefe executivo da Associação Olímpica Britânica.

Os atletas estão planejando tirar longas férias, agora que estão livres dos treinos. Muitos vão tirar muitas semanas, alguns até um mês. Os irmãos Brownlee querem ir devagar, somente nadar e correr algumas horas por dia até o Natal.

O Time GB ainda não colocaram suas cabeças no mundo estranho que eles voltaram: a equipe de terra torcendo, no instante em que irradia-se o reconhecimento de estranhos no aeroporto, imagina a possibilidade de uma honra oficial chegar.

"Sir Adam Peaty?", o nadador campeão disse. "Eu acho que não mereço ainda. Tenho muito trabalho a fazer".

Durante o voo, a tripulação - que teve que voar cantando, dançando e vendo uma exibição improvisada do cavalo com alças de Max Whitlock no encosto dos bancos - teve que segurar eles. A remadora Katherine Grainger, que venceu uma prata e é veterana com cinco Olimpíadas, tinha alguma ideia, mas mesmo ela não esperava o tweet do arcebispo de Canterbury, Justin Welby.

A torcida começou quando o lutador de boxe, Nicola Adams, e Whitlock surgiram e pararam por um momento no topo da escada, brilhando em uma luz solar mais forte do que a de muitos dias que estiveram no Rio.

O terminal 5 ficou cheio de familiares, amigos e fãs, incluindo Mavis Williams - avó de Peaty, que se tornou uma estrela das redes sociais depois de tweetar sobre o sucesso dele. Eles tiveram que esperar um pouco até o time encontrar suas malas em milhares de bagagens vermelhas iguais.

Mesmo com a euforia do momento, alguns foram honestos o suficiente para admitir que a honra de fazer parte disso e a ambição nobre de inspirar mais britânicos a se levantarem de seus sofás e começarem a correr. "Somos muito competitivos, todos nós queremos dar um pouco de nós", disse Grainger .

Os irmãos Brownlee se recusaram a especular sobre as medalhas em Tóquio. "Estarei com 32 anos, acho que é uma boa idade para competir", disse Alistair, com um olhar de lado para o irmão mais novo, que ganhou prata.

Tom Daley, que deu um dos momentos mais felizes dos jogos, quando ele caiu de volta na piscina com o seu parceiro Dan Goodfellow quando perceberam que estavam perto de uma medalha apenas para sofrer com a decepção quando não conseguiu fazer as finais do solo, disse: "Eu gostaria de duas medalhas, mas estou feliz com uma".

O nadador veterano Mark Foster acredita que todos os atletas vão experimentar o sentimento "da manhã seguinte" nos próximos dias. "É um momento estranho imediatamente após os Jogos Olímpicos, em particular para aqueles que enfrentam a aposentadoria. Eu tive sorte, pois poderia continuar até os 38 anos - o melhor conselho é "não se machuque" - mas para alguns isso virá muito mais cedo. Como um esportista que você sabe que não dura tanto tempo, então você vai precisar de uma outra carreira.

"Para os outros, é um ciclo de quatro anos. Eles terão algum tempo de folga no resto do mês, para alguns talvez até o Natal. Então será hora de sentar com o treinador e trabalhar no programa; começa tudo de novo".

Maev Kennedy, repórter do The Guardian (ING), POOL do LANCE!