O LBCD é anexo à Universidade Federal do Rio de Janeiro e foi suspenso pela Wada (Foto: Divulgação)

O LBCD é anexo à Universidade Federal do Rio de Janeiro e foi suspenso pela Wada (Foto: Divulgação)

LANCE!
24/06/2016
18:24
São Paulo (SP)

Em nota oficial publicada nesta sexta-feira, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) informou que prevê que o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) volte ao seu funcionamento normal em julho, antes do início dos Jogos Olímpicos Rio-2016. A universidade é a responsável pela gestão do laboratório, localizado em seu Instituto de Química (IQ). 

O LBCD perdeu sua credencial junto à Agência Mundial Antidoping (Wada) provisioriamente por seis meses, após não apresentar conformidade com o Padrão Internacional de Laboratórios (ISL, em inglês). O laboratório brasileiro seria o responsável por analisar todos os exames antidoping dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016, mas pode agora perder esta função.

Na nota divulgada, a UFRJ informou que espera que o LBCD volte a funcionar normalmente em julho, após visita da Wada, e reforçou que foi aprovado em auditorias realizadas pela agência, assim como obteve êxito em testes-cegos,  utilizados exatamente para verificar se os padrões estão sendo seguidos corretamente.

Veja abaixo a íntegra da nota oficial da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
"O Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) foi informado pela Agência Mundial Antidopagem (Wada) sobre a suspensão temporária do laboratório para análise de amostras. O LBCD reforça sua excelência, bem como sua capacidade técnica e ética para a realização das análises. O laboratório prevê que suas operações poderão voltar ao normal em julho, após a visita técnica do comitê da Wada.

As equipes profissionais, instalações e equipamentos do LBCD representam o que há de mais moderno no mundo em controle de dopagem. Nos últimos doze meses, o LBCD foi aprovado nas auditorias realizadas in loco pela Wada e correspondeu com êxito às análises de todas as amostras com testes-cegos realizadas pela agência. Só este ano, o laboratório já realizou com sucesso cerca de duas mil análises de amostras de urina e sangue. Esse padrão de excelência está mantido e poderá ser conferido na próxima inspeção da Wada."