Russa Mariya Savinova (Foto: FRANCK FIFE/AFP)

Russa Mariya Savinova (à esquerda) é uma das acusadas de ter se dopado  (Foto: FRANCK FIFE/AFP)

LANCE!
13/11/2015
19:44
Rio de Janeiro (RJ)

* Publicada às 19h34

A Federação de Atletismo da Rússia (Araf) recebeu nesta sexta-feira uma suspensão provisória da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Com isso, o país estaria hoje fora dos Jogos Olímpicos. A pena pode ser revertida até a Rio-2016, mas é possível que se torne permanente.

Com 22 votos a favor e apenas um contra, o Conselho da entidade aprovou a medida, de efeito imediato, após a divulgação de um escândalo de doping envolvendo atletas, treinadores e o governo, por uma comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada).

A pena vale apenas para competições internacionais. Os russos não poderão sediar a Copa do Mundo de Marcha Atlética, que aconteceria em Cheboksary, e o Mundial Junior de Kazan. Todos os casos pendentes de doping no atletismo russo passam a ser controlados pela Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Por enquanto, índices olímpicos que conquistados por atletas russos não serão validados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) na classificação para os Jogos do Rio.


A reunião foi realizada via teleconferência e liderada de Londres (ING) pelo presidente da federação, Sebastian Coe. A federação russa apresentará sua defesa, o que pode arrastar a definição sobre a presença ou não do país na Olimpíada do Rio.

– Estamos seguros de que a trapaça, em qualquer nível, não será tolerada. A IAAF, a Wada, os membros de federações e os atletas precisam olhar com mais atenção para onde há falhas e corrigi-las – disse Coe.

A suspensão foi mais um desdobramento do episódio. Antes, o laboratório de análises antidoping de Moscou já havia sido descredenciado pela agência mundial, e o ex-presidente da IAAF, o senegalês Lamine Diack, havia deixado o Comitê Olímpico Internacional (COI). Ele teria recebido propinas para acobertar o escândalo, que pode abranger outras modalidades e outros países.

Para reverter a pena, a Araf precisa seguir uma série de recomendações, como receber a inspeção de uma equipe especializada externa e da própria IAAF. A agência antidoping russa (Rusada) segue na mira dos investigadores.

Além do envolvimento de diversas esferas no esquema para obter melhor performance esportiva, as investigações da comissão levaram à conclusão de que 1.417 amostras de controle de doping teriam sido destruídas antes de passar por análise.

Nos Jogos Olímpicos de Londres (ING), em 2012, a Rússia foi o segundo país que mais conquistou medalhas no atletismo (18), atrás apenas dos Estados Unidos (28). Uma das atrações que pode ficar ausente da Rio-2016 é a bicampeã olímpica do salto com vara Yelena Isinbayeva.