Rosângela Santos

Rosângela Santos sorri ao se classificar para a semifinal dos 100 m (OLIVIER MORIN / AFP)

Marcelo Laguna
12/08/2016
23:52
Enviado especial ao Rio de Janeiro (RJ)

A primeira noite de disputas do atletismo na Rio-2016 reservou poucas alegrias para o Brasil. Fora o bom quarto lugar obtido por Caio Bonfim na marcha atlética na parte da tarde, o melhor momento acabou sendo a boa performance da velocista Rosângela Santos na eliminatória dos 100 m rasos. Em uma série bem disputada com a jamaicana Elaine Thompson, Rosângela ficou em segundo, com 11s25 e avançou para a semifinal.

Sem poder contar com Ana Claudia Lemos, que sofreu um desconforto muscular dias atrás e acabou sendo poupada por causa do revezamento 4 x 100 m, a esperança de uma boa performance ficou apenas com Rosângela. Ela estava tranquila antes da largada, a ponto de pedir para que a torcida fizesse silêncio e não atrapalhasse as competidoras. Fez uma ótima prova e ficou a somente quatro centésimos da jamaicana Thompson, classificando-se para a semifinal. Já a outra brasileira na prova, Franciela Krasucki, não foi bem em sua série, marcou 11s67 na 7ª posição e foi eliminada.

Na sessão noturna do heptatlo, Vanessa Spindola também levantou a torcida nesta sexta-feira na última prova da noite, ao vencer sua bateria nos 200 m rasos e cravar o tempo de 24s11, seu melhor resultado nesta prova na temporada. O desempenho, contudo, não foi suficiente para melhorar sua situação na prova, pois chega para o segundo e último dia na 27ª posição, praticamente sem chances de medalha. Neste sábado, serão disputados o salto em distância, arremesso de dardo e por fim os 800 m.

Finalista olímpica pela segunda vez, repetindo o feito de Londres-2012, Geisa Arcanjo foi apresentada, assim como as demais competidoras da final do arremesso do peso, ao som de uma bateria de escola de samba. Além disso, teve seu nome saudado com entusiasmo pelo público razoável que compareceu ao Engenhão nesta sexta-feira.

E mesmo tendo conseguido a marca de 18m16 em sua terceira tentativa (abaixo de seu melhor resultado no ano, que foi 18m27), Geisa terminou em 9º lugar. Pior do que em 2012, quando terminou em sétimo, porém com uma marca inferior à obtida este ano (19m02).

A prova, por sinal, reservou um momento emocionante justamente no final. A neozelandesa e favorita Valeria Adams, bicampeã olímpica em Londres-2012 e Pequim-2008, parecia caminhar firme para novo ouro e estava tão relaxada que até brincava para as câmeras com duas tentativas queimadas. Até que a americana Michelle Cartes, em sua última tentativa, lançou o peso a 20m63, superando os 20s42 de Adams e ficando com o ouro

No masculino, a noite foi apenas de decepções. Na eliminatória dos 400 m, Hederson Estefani correu na mesma série do favorito americano Lashawn Merritt, que correu para o gasto e venceu com 45s28, Já o brasileiro ficou em último, com a marca de 46s68.

Outro que se despediu cedo da Rio-2016 foi Higor Alves, no salto em distância. Na eliminatória realizada ontem, ele conseguiu acertar apenas um dos três saltos que deveria fazer e com a marca de 7m59, acabou eliminado também. Esta prova acabou reservando o primeiro drama no atletismo desta Olimpíada. O britânico Greg Rutherfod, campeão olímpico em Londres-2012, queimou os dois primeiros saltos e estava ameaçado de eliminação. Até que no último, cravou 7m90, o bastante para colocá-lo na final