Emese Takacs tem naturalização contestada na Justiça (Foto: Divulgação)

Emese Takacs teve seu processo de naturalização suspenso pela Justiça do Paraná (Foto: Divulgação)

LANCE!
01/06/2016
20:31
São Paulo (SP)

Uma polêmica na Seleção de esgrima do Brasil que disputará a Olimpíada do Rio de Janeiro chegou ao fim nesta quarta-feira. A húngara Emese Takacs, convocada para os Jogos, teve sua naturalização suspensa pela Justiça do Paraná e foi cortada da equipe.

O "curioso" do caso, porém, foi o fato de o treinador da reserva Amanda Simeão, Giocondo Cabral, ter sido o responsável por entrar com a ação pedindo uma revisão na naturalização da competidora, afirmando que haviam indícios de fraude no processo.

A 5ª Vara Federal de Curitiba acatou o pedido, por meio da juíza Anne Karina Stipp, e suspendeu o processo da atleta. Assim, a Confederação Brasileira de Esgrima desconvocou a competidora, que "cedeu" sua vaga para Amanda. Um recurso já foi solicitado pela Advocacia Geral da União.

Confira abaixo o comunicado oficial da Confederação:

"Em consequência ao contido no Ofício Judicial de nº 700001962224, expedido pela 5ª Vara Federal de Curitiba, Seção Judiciária do Paraná, dando ciência da decisão que suspende em caráter liminar a concessão de naturalização da atleta da equipe brasileira de espada feminina, Emese Takács, contida na Portaria do Ministério da Justiça de nº 57, de 14/04/2015(DOU de 16/04/2015), a CBE retifica a convocação das esgrimistas da equipe brasileira de espada feminina para os Jogos Olímpicos Rio 2016, a saber:

ATLETAS CONVOCADAS:

EQUIPE BRASILEIRA DE ESPADA FEMININA

1) Nathalie Moellhausen – Esporte Clube Pinheiros

2) Rayssa Costa – Esporte Clube Pinheiros

3) Amanda Simeão – Sociedade Thalia

4) Catherine Miller – Clube Militar (reserva)"