LANCE!
01/09/2016
16:05
Brasília (DF)

O revezamento da tocha dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro começou nesta quinta-feira, em Brasília, com a passagem por regiões marcantes da capital federal. Foi só o início da corrida, que envolverá 741 pessoas no total, desde atletas medalhistas olímpicos, como a judoca Rafaela Silva, até anônimos, como Haroldo da Costa, com suas histórias de superação.

O início do evento coube a Cláudio Irineu da Silva. Ouro no vôlei sentado nos Jogos Parapan-Americanos de 2007, no Rio, o atleta foi ainda quatro vezes campeão mundial no futebol. Hoje, aos 48 anos, 20 dedicados ao esporte paralímpico, o brasiliense se prepara para treinar tiro com arco.

– Estou encerrando um ciclo com chave de ouro e tendo a honra de acender esse fogo que vai iluminar o caminho dos nossos atletas. Tenho certeza de que vamos bater todos os recordes de medalhas este ano – afirmou Cláudio.

Ele recebeu a chama das mãos do professor de educação física Ulisses de Araújo, responsável por transferi-la ao primeiro condutor.

– Aqui é um símbolo único da igualdade. Nada melhor do que o início ser em Brasília – disse Ulisses.

De Brasília, a Tocha seguirá para Belém (PA), Natal (RN), São Paulo (SP) e Joinville (SC), antes de chegar ao Rio de Janeiro para a cerimônia de abertura dos Jogos.

Em cada uma das cidades, a chama representará um valor paralímpico. Em Brasília, o destaque foi para a igualdade. Belém ressaltará a determinação; Natal, a inspiração; São Paulo, a transformação e Joinville, a coragem. O valor para o Rio de Janeiro é paixão.