Maracanã na festa de encerramento. O adeus aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

Maracanã na festa de encerramento. O adeus aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (Foto YASUYOSHI CHIBA / AFP)

RADAR/LANCE!
22/08/2016
18:57
Rio de Janeiro (RJ)

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro chegaram ao fim. Após acompanhar grandes disputas e a consagração dos heróis olímpicos, a imprensa internacional repercutiu suas impressões sobre o megaevento no Brasil. Veja o que disseram os principais jornais do mundo:

El País (Argentina) :
O texto assinado por María Martín traz uma análise positiva do que foram os Jogos Olímpicos do Rio:

"Questionada até o último momento pelo vírus da Zika, pela segurança mediante as ameaças de atentados terroristas, pelos transportes, os Jogos foram um sucesso, celebrado com uma cerimônia modesta, mas que terminou com o estádio do Maracanã convertido em um sambódromo"

O portal também destacou a ausência do presidente interino do Brasil, Michel Temer, e trouxe uma reflexão sobre a 'vitória' do Brasil:

"Com a ausência do presidente interino do Brasil, vaiado na cerimônia de abertura, o Rio apagou a chama olímpica que alimentou sonhos durante duas semanas. Agora, o Rio terá que enfrentar o enorme desafio de voltar a sua realidade, com hospitais e escolas em situações precárias, com as contas do Estado em vermelho e com uma grave crise de segurança. Será no silêncio da ressaca olímpica que o Rio saberá realmente se saiu vitorioso."

The Washington Post (Estados Unidos)
O texto escrito pelos jornalistas Joshua Partlow e Dom Phillips destaca a cerimônia de encerramento, elogiando a escolha por elementos da cultura brasileira, como a natureza e o carnaval. Eles também dão enfoque ao desempenhos dos atletas nos Jogos Olímpicos, mas não deixam de comentar sobre as vaias, protestos e a situação política e econômica do país. Em meio a isso, destacou a união do povo brasileiro para superar os problemas:

"A paixão turbulenta dos brasileiros, seus gritos, vaias, calor, hospitalidade, foram as únicas constantes em uma competição que se era difícil saber para onde olhar: para um Neymar chorando como herói nacional , para o inspirador Usain Bolt ou para nadadores americanos bêbados. Para a equipe da casa, os Jogos foram como vitórias, tendo medalhas de ouro no futebol e voleibol, dois dos esportes favoritos do Brasil. Os Jogos Olímpicos trouxeram ainda uma grande união dos brasileiros. Foi como uma distração bem-vinda diante das dificuldades do país, que foram substituídas por duas semanas de orgulho nacional."

Le Monde (França)
 O jornal francês destacou a capacidade do Brasil de sediar um grande evento esportivo como a Olimpíada. Elogiou a organização dos Jogos mesmo com os problemas políticos e econômicos e ainda dedica boa parte de seu texto para falar sobre a dengue e o zika vírus, que foram motivo de grande preocupação. O texto assinado pela jornalista Claire Gatinois também aponta o descontentamento da população com suas autoridades:

"Durante quinze dias, a crise passou para um segundo plano, ajudada por um Michel Temer extremamente discreto. Mesmo assim, a incerteza política paralisa o país por meses e aprofunda a terrível crise econômica."

The Guardian (Reino Unido)
Na maior parte do texto escrito por Owen Gibson não se vê elogios. A grande preocupação do jornal britânico é o legado que a Olimpíada deixará:

"É certo que grandes eventos devem ser feitos em diversos locais do mundo, mas isso deve ser feito de forma a deixar algo duradouro...Poderia ser um sinal de que se é possível fazer algo de forma mais sustentável, sem ter tantos gastos, mas que deixe um legado genuíno e que não seja apenas palavras."

Record (Portugal)
A jornalista Lídia Paralta Gomes destaca a festa de encerramento e analisa os Jogos do Rio como um sucesso:

"​Foram 16 dias de competição e de inequívoco sucesso esportivo, que acabou por disfarçar alguma impreparação do ponto de vista organizativo. Menos majestosa que a abertura, o desfecho trouxe uma homenagem aos locais mais icônicos do Rio. Numa mensagem de comunhão e união, todos os atletas entraram juntos, sob a bênção de Carmen Miranda."

The New York Times (Estados Unidos)
O jornal americano traz uma análise sobre os Jogos Olímpicos do Rio como destaque de seu portal. Assinada pelo jornalista Andrew Jacobs, a matéria ressalta a diferença social do país com o excesso de dinheiro para bancar a realização dos Jogos e a deficiência do Estado de cumprir com obrigações básicas como o pagamento dos salários de professores. Apesar disso, também cita o que a Olimpíada trará de bom ao Rio de Janeiro, com a modernização da cidade, através das obras que devem ficar como legado:

"Bilhões foram gastos para realizar a Olimpíada, enquanto professores não recebem salários. Críticos dizem que os mais ricos serão os mais beneficiados em detrimento dos mais pobres. A promessa de limpeza da Baía da Guanabara ficou por cumprir, assim como as palavras de garantia de segurança, que contrapõem o aumento da criminalidade. No entanto, os Jogos mudaram profundamente o cenário da cidade. Um porto revitalizado, novas linhas de metrô e projetos municipais que servirão à cidade e sua população."