Maria Lenk (Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio)

O Parque Aquático Maria Lenk será sede de três modalidades olímpicas na RIo-2016 (Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio)

Rafael Valesi
22/01/2016
16:00
São Paulo (SP)

O Comitê Organizador Rio-2016 bateu o martelo sobre o local das partidas preliminares do polo aquático nos Jogos Olímpicos. A primeira fase da competição acontecerá no Parque Aquático Maria Lenk. A decisão foi tomada no fim do ano passado, após consultas à Federação Internacional de Natação (Fina). 

No cronograma inicial, o polo aquático realizaria suas rodadas iniciais no Parque Aquático Julio de Lamare, no complexo esportivo do Maracanã. Mas em maio do ano passado a instalação foi retirada do projeto olímpico por causa da demora no início das obras de adequação, que seria de responsabilidade da Concessionária Maracanã, grupo privado formado pelas empresas Odebrecht e AEG. 

Logo após a notícia ser divulgada, cogitou-se levar o polo aquático para Deodoro. A competição seria realizada no mesmo local das provas de natação do pentatlo moderno. No entanto, haveria a necessidade da construção de uma piscina de aquecimento. Desde o início, Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Rio-2016, tinha o Parque Aquático Maria Lenk como sua preferência.

Um dos empecilhos para escolher o Maria Lenk era o calendário de competições da Rio-2016. A arena também sediará os saltos ornamentais e o nado sincronizado durante a Olimpíada.

O polo aquático terá jogos no local entre os dias 6 e 14 de agosto (as finais serão no Estádio Aquático entre os dias 15 e 20). Também no dia 14, começarão as disputas do nado sincronizado. Já os saltos ornamentais serão realizados ao longo de quase toda a Olimpíada: entre 7 a 20 de agosto. 

Assim, conforme o calendário atual, o Parque Aquático Maria Lenk receberá as três modalidades no dia 14 de agosto. 

Julio de Lamare vira local de aclimatação

O Parque Aquático Julio de Lamare não será mais um local de competição na Olimpíada Rio-2016, mas estará indiretamente ligado ao evento. A instalação servirá como local de aclimatação e treinamento das equipes de polo aquático que disputarão os Jogos. 

As obras de adequação do complexo aquático, que seriam de responsabilidade do Concessionária Maracanã, passaram para o Comitê Rio-2016. A entidade reformará a piscina e também o Maracanãzinho, sede do vôlei nos Jogos.

O custo será de aproximadamente R$ 40 milhões (o valor sairá de um montante de R$ 330 milhões que o Comitê Rio-2016 conseguiu por meio de incentivos fiscais). As obras deverão começar em fevereiro, e terminar até julho, mês em que as equipes já deverão utilizar o espaço para treinamentos.