Eduardo Paes, prefeito do Rio, em evento no Museu do Amanhã (Foto: Igor Siqueira)

Eduardo Paes, prefeito do Rio, em evento no Museu do Amanhã (Foto: Igor Siqueira)

Igor Siqueira
23/06/2016
11:36
Rio de Janeiro (RJ)

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, em um tom de "brincadeira com fundo de verdade" afirmou nesta quinta-feira que o governo estadual, afundado em crise financeira às vésperas da Rio-2016, precisa de "muita reza" para sair do atoleiro de lama

- É muita reza que precisa, a coisa tá esquisita lá - disse Paes, na Conferência 100 Dias de Paz, realizada no Museu do Amanhã, pela Arquidiocese do Rio e pela Pastoral do Esporte

O prefeito ainda emendou:

- Reza é sempre bom, faz bem para todo mundo.

A 43 dias dos Jogos Olímpicos, o prefeito do Rio repetiu o discurso de confiança no sucesso do evento, inclusive no que diz respeito às obras do metrô, que são responsabilidade do governo estadual.

- Eu estou supertranquilo porque eu tenho tido relatos do secretário que está tudo bem. Ontem eu vi imagens do metrô passando pela ponte da Barra. Eles fizeram um dia de madrugada. As coisas estão caminhando bem - completou Eduardo Paes.

No entanto, ele ressaltou que há um plano de contingência para resolver o problema, caso dê tudo errado com o metrô.

- O plano de contingência ficará até na contingência até o momento que seja aplicado. Porque aí eu teria que montar uma outra estação de acesso ao BRT na região da Zona Sul - disse Paes, explicando que precisaria ser comunicado em até 10, 15 dias a respeito da necessidade de adotar o plano "B".

O prefeito do Rio ainda assegurou que os problemas financeiros do governo do Rio não foram trazidos pela Rio-2016.

- As pessoas ou querem creditar à Olimpíada a salvação de todos os problemas ou querem culpar a Olimpíada pelos problemas que os entes do governo passam Se tinha alguém que tinha que estar quebrado era a Prefeitura do Rio. As Olimpíada, com esse subsídio do governo federal, foi um bom argumento para ajudar o governo no tempo de dificuldade - emendou.