Igor Siqueira
29/07/2016
13:48
Rio de Janeiro (RJ)

Local onde costumeiramente ecoa o estrondo das baterias de escola de samba do Carnaval do Rio, o Sambódromo está em processo de transformação para os Jogos Olímpicos. Muita coisa ainda está sendo montada, mas uma diferença está mais do que perceptível aos ouvidos. O local, por conta das disputas de tiro com arco, tem que ser o mais silencioso possível.

A calmaria só não é total porque buzinas de carros, motos e ônibus ainda interrompem o silêncio no treinamento dos arqueiros, que são o motivo de tanta transformação na Marquês de Sapucaí. O barulho característico das flechas alcançando os alvos também é marcante, já que ver o voo do objeto é praticamente impossível.

- Não é nada absurdo o barulho que tem em volta. Não tenho problema com isso. Mas quando o arqueiro estiver armado, tem que ficar em silêncio. É um ato de concentração e respeito - comentou um dos integrantes da equipe brasileira, Marcus Vinícius D'Almeida.

Nesta sexta-feira, além da equipe masculina brasileira, vários países deram continuidade ao treinamento. Mas muita gente estava trabalhando na colocação de grades e, principalmente, nos ajustes dos equipamentos eletrônicos que servirão como placar: estruturas de led e relógios, por exemplo.

Ainda há acertos nos acessos ao Sambódromo. A entrada de funcionários, operários e imprensa tem sindo concentrada em um dos portões. Homens da Força Nacional de Segurança fazem a vistoria das mochilas e trabalham junto aos detectores de metal.