LANCE!
06/08/2016
22:38
São Paulo

O Brasil inteiro se mostrou emocionado na noite da última sexta-feira. A escolha de Vanderlei Cordeiro de Lima para acender a pira olímpica no Maracanã, na cerimônia de abertura da Rio-2016, tocou o coração do brasileiro - que lembrou do motivo principal que levou Vanderlei a ser o escolhido: a maratona das Olimpíadas de Atenas-2004. Mas houve uma pessoa que não gostou de vê-lo ser o astro da festa.


Este, no caso, é Cornelius Horan, o padre irlandês que agarrou e tirou Vanderlei da pista durante a maratona de 2004. O homem que, possivelmente, tirou a medalha de ouro do brasileiro, que acabou com o bronze.

Em entrevista ao jornal americano The New York Times, Horan afirmou que ficou com raiva ao ver Vanderlei acender a pira.

- Quando eu o vi com meus próprios olhos, fiquei com muita raiva. Eu olhei para Vanderlei e pensei: 'Você não seria a estrela que é se não fosse por mim - disse o irlandês, que ainda fez questão de não pedir desculpas:

- O que digo é agressivo a Vanderlei. Mas até meu mestre Jesus Cristo foi agressivo em suas palavras quando necessário - falou o padre. Horan, na verdade, teve retirados seus direitos para exercer a função de padre nos anos 1990.

Na verdade, no passado, Horan até tentou se aproximar de Vanderlei, escrevendo duas cartas em português, que nunca foram respondidas. Isso deixou o irlandês ainda mais ressentido:

- É muito triste. O condeno por isso. Ele falhou miseravelmente em respeito básico - completou.

Vanderlei foi escolhido para acender a pira cerca de uma hora antes do momento. Ele revelou a situação em conversa com o LANCE!

Além do bronze conquistado na maratona em que foi agarrado, o brasileiro possui a medalha Pierre de Coubertin, dada a poucos na história - honraria a quem demonstrou espírito olímpico em grande nível.