Bernardo Cruz
04/08/2016
19:58
Rio de Janeiro (RJ)

Portugal garantiu a alegria do torcedor brasileiro nesta quinta-feira. Se a Seleção empatou sem gols na estreia, os lusos fizeram a sua parte e venceram a Argentina por 2 a 0, no Estádio Olímpico, no fechamento da primeira rodada do Grupo D do futebol masculino da Rio-2016.

Paciência e Pité fizeram os gols que garantiram os primeiros três pontos para os europeus. Na próxima rodada, que acontece no domingo, novamente no Estádio Olímpico, Portugal faz o jogo da liderança contra Honduras. Já a Argentina terá partida decisiva contra a Argélia no mesmo local.

O JOGO

Os primeiros minutos já davam a impressão que o duelo corresponderia às expectativas. Empurrado pelos brasileiros, Portugal começou melhor. Teve um gol bem anulado no início, mas soube de impor. Foram cerca de 30 minutos onde os lusos mostraram equilíbrio, boa marcação e jogadas rápida.

Outro ponto que chamava atenção eram os aspectos individuais portugueses. Bruno Fernandes, Esgaio e Sergio Oliveira se destacaram  pelas jogadas individuais. A Argentina tinha dificuldades em contectar jogadas. Correa era o único que destoava de grande parte da equipe.

Na reta final dos 45 minutos iniciais, contudo, os hermanos acordaram. Chegaram três vezes com muito perigo e tiveram as melhores oportunidades para abrir o marcador. Por conta disso, o empate justo deixava ainda mais expectativa para o que teria na etapa final.

A Argentina voltou melhor e quase abriu o placar com Calleri. O ex-atacante do São Paulo recebeu lançamento longo e na entrada da área tocou por cima do goleiro Varela. A bola caprichosamente beijou o travessão luso. Portugal, por sua vez, não sentiu o golpe e conseguiu igualar as ações.

Jogo aberto, tudo parecia indefinido. Foi ai que a equipe de Rui Jorge recuperou o ímpeto do primeiro tempo. Superior, o gol parecia questão de tempo, de Paciência. Foi do camisa 9 o chute cruzado de fora da área que abriu o caminho para o triunfo (o jogador é filho de Domingos Paciência, ídolo do Porto dos anos 1990 e foi o técnico do Braga na final da Liga Europa 2010/11).

A Argentina, como de costume, não se entregou. Rondou com perigo a área lusa, mas não era efetiva no momento da finalização. Portugal sentia que o adversário estava cansando. Deu o golpe fatal no chute de fora da área de Pité, que o goleiro Rulli aceitou generosamente por debaixo das pernas. Frangaço.

Com direito a olé brasileiro, Portugal estava em casa. A Argentina, para felicidade geral, dançou o fado. Se o Brasil decepcionou em Brasília, , nossa ex-metrópole garantiu a alegria.