Eduardo de Rose (Foto: Reprodução/TV)

Eduardo de Rose é membro da Wada (Foto: Reprodução/TV)

Jonas Moura
11/11/2015
18:04
Rio de Janeiro (RJ)

A decisão está nas mãos da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), mas o professor Eduardo de Rose, membro da Agência Mundial Antidoping (Wada), acha pouco provável que a Rússia seja impedida de disputar a competição de atletismo dos Jogos Rio-2016.

Na avaliação da maior autoridade brasileira no assunto, os responsáveis serão punidos sem que o caso afete atletas que não tiveram participação comprovada no esquema.

– Não acredito em uma não participação russa no atletismo do Rio, mas penso que atletas que comprovadamente estiveram neste caso poderão perder medalhas em nível internacional e olímpico – afirmou, em entrevista ao LANCE!.

De Rose acredita em fortes sanções podem ser impostas aos setores envolvidos no controle antidoping.

– A denúncia é séria e terá consequências ao laboratório de Moscou (descredenciado por seis meses) e para a Agência Antidoping Russa (RUSADA). A abrangência da Wada termina aí, mas as recomendações evoluem para decisões de outras entidades, como IAAF e Comitê Olímpico Internacional (COI) – disse.

Questionado sobre o que o Brasil pode fazer para evitar casos de doping nos Jogos do Rio , o professor afirmou que medidas já estão em prática, independentemente do episódio ocorrido na Rússia.

– Os cuidados com o antidoping estão sendo tomados, e são constantemente avaliados pelo COI e pela Wada.

De acordo com as investigações da comissão independente da agência mundial, o esquema pode abranger outros países e esportes.