Brasileiros na Olimpíada de 1920, na Antuérpia (Foto: Afranio da Costa/Arquivo pessoal)

Brasileiros do tiro esportivo na Olimpíada de 1920, na Antuérpia (Foto: Afranio da Costa/Arquivo pessoal)

LANCE!
12/07/2016
08:05
São Paulo (SP)

Diante de uma Europa arrasada após a Primeira Grande Guerra (1914-1918), a cidade de Antuérpia, na Bélgica, se arrumou às pressas para receber os Jogos. Berlim seria a sede em 1916, mas não houve edição dos Jogos naquele ano por causa do conflito. Por conta das suas posições durante a guerra, Alemanha, Áustria, Hungria, Bulgária e Turquia foram proibidas de participar dos Jogos de 1920. Essa foi uma das exigências dos belgas, que foram invadidos pelos alemães no conflito que durou de 1914 a 1918: a exclusão dos países derrotados.

O tenente do Exército Guilherme Paraense tornou-se o primeiro brasileiro - e também sul-americano - a conquistar um ouro em uma Olimpíada. Paraense faturou a prova de pistola de velocidade, ou tiro rápido. As armas utilizadas pela equipe brasileira tiveram de ser cedidas pelos norte-americanos, já que a delegação verde-amarela foi furtada durante a viagem.

O havaiano Duke Kahanamoku, ganhou a prova dos 100m livres na natação, mas um rival australiano o acusou de ter lhe dado um soco durante a prova. Os juízes anularam a prova e realizaram nova competição. Duke Kahanamoku confirmou a vitória e o recorde mundial (1min00s4), batido na primeira final, e foi ovacionado pela torcida.

Antuérpia-1920 sediu a última participação do cabo de guerra como modalidade olímpica. A prova foi vencida pelos britânicos. Foi uma forma de tirar do programa modalidades que lembrassem conflitos e guerra.

Pela primeira vez, em Antuérpia, apareceu a bandeira olímpica com seus cinco anéis entrelaçados, representando os continentes: azul (Europa), amarelo (Ásia), preto (África), verde (Oceania) e vermelho (América).

A delegação brasileira enfrentou uma viagem de quase um mês a bordo do navio Curvello, cedido pelo Governo Federal. Mas, ao chegar em Portugal, eles perceberam que, de navio, só chegariam na Bélgica dia 5 de agosto, depois do início dos Jogos, marcados para o dia 20 de abril. A equipe, então, deixou o navio e seguiu a viagem de trem, e acabou tendo parte da bagagem furtada.