Ex-campeão olímpico atribui sucesso de atletas à culinária do Japão

Zico mostrou confiança de que o Japão terá amplas condições de sediar Olimpíada em 2020 (Foto: Felipe David)

Fellipe David
17/08/2016
18:26
Rio de Janeiro (RJ)

O rendimento da delegação brasileira na Rio-2016 não passou em branco aos olhos de Zico. Em entrevista exclusiva ao LANCE! após o evento "Tokyo 2020", na Casa do Japão, o ex-jogador rechaçou a hipótese de que o aspecto psicológico venha comprometendo a busca do Brasil pelas medalhas, e exigiu:

- Não execrem o Brasil! Os atletas não devem ser execrados pelo baixo número de medalhas. Trata-se de uma Olimpíada, com um nível altíssimo de competitividade. 

A frustração da Seleção Brasileira feminina de futebol diante da Suécia foi mencionada como um exemplo. Aos olhos do Galinho, a vitória sueca nos pênaltis aconteceu pela postura em campo:

- Atuou de maneira fechada, e conseguiu parar Marta, Cristiane & Cia. É assim que se enfrenta o Brasil.

O ex-jogador também elogiou a Seleção feminina de vôlei, que foi eliminada pela China nas quartas de final:

- A eliminação dói, é compreensível. Mas eram quatro ou cinco seleções candidatas ao ouro. Então o resultado negativo acaba sendo normal.

Questionado sobre sua perspectiva para a Olimpíada de Tóquio, em 2020, o Galinho, que jogou no Japão e treinou a seleção do país, não pestanejou em declarar toda a sua confiança na organização nipônica para a realização dos Jogos. 

- O Japão tem toda a capacidade de sediar uma Olimpíada espetacular, em todos os quesitos - afirmou o craque, que foi reticente sobre sua presença em Tóquio-2020:

- Ainda não sei se estarei lá.