Jonas Moura e Paula Mascára
05/08/2016
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

Após longa espera, o Rio de Janeiro inaugura oficialmente nesta sexta-feira os Jogos Olímpicos de 2016, os primeiros da América do Sul, ciente da responsabilidade. Diante de 50 mil pessoas no Maracanã, e de audiência estimada em 3 bilhões de espectadores no mundo, uma cerimônia de abertura modesta, mas criativa, na visão dos diretores envolvidos na montagem do espetáculo, dá largada para o maior evento do planeta. A festa começa às 20h, com portões abertos a partir das 16h30.

À medida que a tão aguardada data se aproximava e as arenas olímpicas eram finalizadas, os organizadores divulgaram alguns detalhes da comemoração. Sabe-se, por exemplo, que a cultura brasileira terá lugar marcante, com participações de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Anitta, Elza Soares e Ludmilla, entre outros. Mas muitos preparativos ainda são segredo. Pelé recebeu convite para acender a pira, mas alegou problemas físicos. O ex-tenista Guga e o ex-velejador Torben Grael estão entre os cotados.

"Ele está bem, mas não pode ficar subindo e descendo escada. A cirurgia que ele fez foi ótima, mas ainda há um processo de recuperação. Acho que, se fosse daqui a uma semana, teria chance, mas, sendo hoje, o médico não liberou", informou o assessor pessoal de Pelé, José Forno Rodrigues.

O Comitê Organizador informou que a cerimônia contará com 12 mil atletas e membros de delegações, 5 mil voluntários, 300 produtores artísticos, 200 dançarinos profissionais e 12 escolas de samba. Ao menos 20 nacionalidades entraram em cena na produção da abertura dos Jogos. A previsão é de que dure três horas.

Muitos planos traçados no início ficaram pelo caminho em razão da falta de verba, uma vez que o Comitê precisou cortar despesas para não extrapolar os R$ 7,4 bilhões de seu caixa, de origem privada. Do contrário, as dívidas do evento teriam de ser assumidas pelo poder público.

– Tivemos um orçamento muito abaixo da expectativa em relação a um espetáculo desta natureza, mas estamos acostumados. O espírito da gambiarra é importante. É o ‘não temos com o que fazer, mas temos de fazer, então, faremos. E isto não é sacrificante. É pura criação – afirmou a cineasta Daniela Thomas, uma das diretoras criativas das cerimônias.

Fora o futebol, as competições olímpicas só começam sábado.


Dicas para quem vai à cerimônia de abertura

- Chegue cedo ao estádio e evite filas.
- Os portões serão abertos às 16h30.
- O acesso ao Maracanã é por transporte público. Vale programar a viagem.
- Para quem vai pegar o metrô, Linha 2, a estação para desembarque é a São Cristóvão. Ela dá acesso ao PORTÃO E/F com 9 minutos de caminhada / 650 metros de distância. O portão de acesso está escrito no ingresso.
- Para quem vai pegar o metrô, Linha 1, o desembarque é pela estação São Francisco Xavier. Ela é o melhor acesso ao PORTÃO D com 15 minutos de caminhada / 1.100m.
- A estação Maracanã não será usada pelo público.
- Evite ir de mochila. Ela aumenta o tempo na fila. Não leve itens restritos.
- Alguns produtos não permitidos: recipientes de vidro, bastão de selfie, embalagens de vidro, capacete, equipamentos esportivos, skates, brinquedos ou objetos com aparência de armas de fogo, cornetas e outros objetos que emitam som etc.
- A lista completa dos itens proibidos e restritos dentro das instalações olímpicas pode ser encontrada aqui.

* Atualizado às 15h55