Frames - problemas com comida no Parque Olímpico

Prioridade neste domingo é colocar um fim na demora de mais de uma hora para o torcedor comprar produtos alimentícios (Foto: Frame/TV LANCE!)

CARLOS ALBERTO VIEIRA
07/08/2016
14:54
Rio de Janeiro (RJ)

Depois de ter conseguido atenuar os problemas das filas para a entrada dos torcedores, aumentando o efetivo nas áreas de triagem e agilizando a revista em horários de pico, a Rio-2016 vive mais um Dia D neste domingo. A questão da alimentação e hidratação dos cerca de 158 mil torcedores que estarão hoje no Parque Olímpico.

Após muitas críticas pela demora no atendimento, falta de produtos e de água, o diretor executivo da Rio 2016 Mario Andrada diz que foi feita uma operação de urgência para minimizar os problemas neste domingo, que será o dia com a maior afluência de público dos jogos - superando os 155 mil do último sábado - no Parque Olímpico e em Deodoro.

O dirigente apontou os problemas. O primeiro foi a demora do pessoal escalado para trabalhar nos restaurantes. Por causa da lenta triagem, problema sofrido também pelo torcedor, muitos chegaram atrasados e, segundo Andrada, quase todos os concessionários tiveram de deslocar pessoal para venda, deixando de preparar produtos. Outra dificuldade aconteceu por causa de erros operacionais, tornando o problema uma bola de neve. O atraso na logística de entrega dos produtos, a demora para comprar e para receber os alimentos.

- A checagem da entrada do pessoal já foi solucionada desde a tarde de sábado. E na logística alteramos a entrega. Ela era obrigação das concessionárias e passou a ser feita pelo pessoal dos Correios, que é nosso parceiro.  São 100 pessoas só nisso  - disse Andrada, que também conseguiu fazer a alteração o cardápio das lanchonetes:

- Não faltou comida. Faltou uma boa operação.  Fizemos ajustes para agilizar os pagamentos por cartão de crédito, simplificamos o cardápio, tirando a  maioria dos pratos quentes, o que agiliza o processo. O importante é dar a todos as comidas que precisam com maior rapidez. Já em Deodoro o problema foi com a falta de água. Mudamos o suprimento de água e neste domingo pela manhã já tive a confirmação que está tudo normalizado por lá.

Algumas questões de transportes foram levantadas e Andrada comentou que há uma preocupação grande com logística.

- Tivemos problemas de sinalização em Deodoro, que foi o mais complicado, e também nos metrôs. Temos de dar uma melhorada nisso, que é muito pontual, basta uma placa para informar melhor o torcedor - finalizou Andrada.