Ministro do Esporte, George Hilton (Foto: Divulgação)

George Hilton afirmou que cancelamento da Olimpíada não está em discussão (Foto: Divulgação)

LANCE!
05/02/2016
14:49
Rio de Janeiro (RJ)

O ministro do Esporte, George Hilton, descartou a possibilidade de os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016 serem cancelados em razão de uma possível epidemia de zika vírus. Em nota oficial, ele defendeu que os esforços dos governos e do Comitê Organizador do evento assegurarão o combate aos criadouros do Aedes aegypti, que transmite esta e outras doenças.

"Essa possibilidade não está em discussão. O Governo brasileiro está integralmente empenhado em garantir que os Jogos Rio 2016 transcorram com segurança e tranquilidade", informou o ministro, em nota oficial.

O assunto foi levantado na última quarta-feira, após os pesquisadores americanos Arthur Caplan e Lee Igel assinarem uma coluna na revista Forbes pedindo a não realização dos Jogos por conta da proliferação da epidemia.

No início da semana, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um sinal de alerta ao afirmar que o zika vírus é uma emergência de saúde pública internacional e requer medidas urgentes em todo o planeta.

A preocupação da OMS é a velocidade de disseminação do vírus e as consequências devastadoras. A principal é a possível vinculação do zika com casos de bebês que nascem com microcefalia (má-formação do cérebro). Há 270 casos de microcefalia confirmados no Brasil e 3.448 em estudo.

Atualmente não há vacina ou medicamento para o zika. Os sintomas da doença são: febre, dor de cabeça e no corpo e manchas avermelhadas.

Nas Américas, 26 países já relataram casos de zika vírus. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, entre 3 milhões e 4 milhões de pessoas poderiam ser contaminadas pelo vírus em 2016. O Brasil é o país mais afetado, com cerca de 1,5 milhão de casos desde abril.

Leia a nota divulgada pelo ministro George Hilton

O Governo brasileiro lamenta a publicação de matérias e opiniões na imprensa que cogitam a possibilidade de cancelamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 por causa da epidemia do vírus Zika. Essa possibilidade não está em discussão. O Governo brasileiro está integralmente empenhado em garantir que os Jogos Rio 2016 transcorram com segurança e tranquilidade.

O vírus Zika é um problema mundial. O Brasil está fazendo a sua parte e tem mobilizado intenso esforço internacional na luta contra a doença. As ações coordenadas dos Governos federal, estadual e municipal de combate ao vírus Zika e as medidas tomadas pelo Comitê Rio 2016, combinadas à mobilização nacional contra o mosquito, assegurarão o eficaz combate aos criadouros do Aedes aegypti, transmissor do vírus.

Além disso, o período de realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, durante o inverno brasileiro, é, historicamente, de baixa incidência de chuvas e de mosquitos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que é a autoridade internacional competente para pronunciar-se sobre qualquer questão relacionada à saúde, não fez, em nenhum momento, qualquer recomendação para que se evitem viagens por causa do Zika. Pelo contrário, a OMS tem sido explícita em afirmar que não deve haver nenhuma medida restritiva de viagens ou de comércio por conta do vírus Zika.

Da mesma maneira, a Organização Mundial de Turismo (OMT) também afirmou, no dia 1º de fevereiro, que, em consonância com a determinação da OMS, não deve haver qualquer restrição de viagens para as áreas afetadas pelo vírus.

Os Jogos Rio 2016 se realizarão com total atenção à saúde de todos os participantes da maior festa do esporte mundial.