Eduardo Paes, prefeito do Rio (Foto: Igor Siqueira)

Eduardo Paes, prefeito do Rio (Foto: Igor Siqueira)

Igor Siqueira
05/07/2016
12:31
Rio de Janeiro (RJ)

Para marcar a data exata de 30 dias para a cerimônia de abertura da Rio-2016, o prefeito Eduardo Paes conduziu nesta terça-feira uma apresentação - antes da inauguração da 'Nave do Conhecimento e Museu Cidade Olímpica', ao lado do Engenhão - a respeito das ações visando aos Jogos Olímpicos na cidade. Desde projetos esportivos aos de infraestrutura. Na visão de Paes, a Cidade Maravilhosa melhorou por causa do megaevento esportivo.

- O que eu queria dizer é que eu defendo as Olimpíadas porque representaram uma oportunidade fantástica para a cidade. Só não vê quem não quer ver. A cidade tem menos defeitos hoje do que tinha quando ganhamos os Jogos. As pessoas vivem um pouco melhor, apesar da crise - comentou Paes. que ainda emendou:

- Não venham esperando Chicago, Londres. Nosso estágio de desenvolvimento é outro. Comparem o Rio com o Rio.

O prefeito do Rio, apesar de críticas recentes à segurança pública, cuja responsabilidade é do estado, assegurou que falta de segurança não será problema nos Jogos.

- Não será o problema das Olimpíadas isso. Os turistas venham, aproveitem, desfrutem.

Eduardo Paes também trouxe, além de imagens e vídeos dos empreendimentos feitos para a Rio-2016, números que mostram queda de gastos em relação à previsão inicial, quando a cidade se candidatou a ser sede. Segundo o prefeito, o orçamento caiu de R$ 6,4 bilhões para R$ 4,1 bilhões. Ele ainda citou os números gastos pelos cofres públicos durante o período de preparação olímpica na saúde e na educação.

- A Prefeitura gastou para fazer estádios, equipamentos, R$ 732 milhões. Isso é número oficial. No mesmo período, R$ 65 bilhões em saúde e educação. O que se gastou em estádio é 1%. Não deixamos de fazer saúde e educação em razão das Olimpíadas - afirmou o prefeito, que, espirituoso, engatou:

- Faço ênfase na defesa porque o Brasil e o Rio têm muitos problemas, mas as pessoas têm que parar com o complexo de vira lata. Podem falar mal do prefeito, mas não falem mal do Rio porque a coisa fica mais difícil.

O recado final foi com um nível de empolgação típico de Eduardo Paes:

- Agora é festa. Que me desculpem as cidades mais feias, lugares mais frios, a população mais preconceituosa, festa ninguém faz igual ao carioca. Esse lugar aceita a mistura de gentes, não é homofóbica, não é xenófoba, não tem raiva de gringo.