Obras das arenas da Olimpíada Rio-2016

Parque Olímpico da RIo-2016 segue em obras (Foto: Renato Sette Camara)

Rafael Valesi
29/01/2016
15:32
São Paulo (SP)

O orçamento da Olimpíada Rio-2016 ficou mais caro, e ultrapassou os R$ 39 bilhões. O aumento foi consequência da divulgação nesta sexta-feira da quarta versão da Matriz de Responsabilidades.

O documento é publicado semestralmente pela Autoridade Pública Olímpica (APO), e reúne os investimentos dos entes públicos (governo federal, estadual e municipal) e da iniciativa privada em 47 projetos relacionados à construção de novas arenas, adequação de instalações já existentes e itens complementares para a realização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

A soma dos investimentos da Matriz de Responsabilidades passou de R$ 6,67 bilhões, da versão divulgada em agosto do ano passado, para R$ 7,07 bilhões.

A diferença de R$ 400 milhões é por conta da definição dos valores para a instalação de arquibancadas temporárias no Parque Olímpico, no Engenhão e no Complexo Esportivo de Deodoro, para a locação de geradores e também para adequações elétricas em instalações. Toda essa verba virá dos cofres públicos. 

Para as arquibancadas, serão gastos R$ 90,5 milhões, com investimentos da prefeitura do Rio de R$ 18,1 milhões, e mais R$ 72,4 milhões do governo federal. Já os geradores custarão R$ 290 milhões para os cofres públicos. O custo também ficará a cargo do governo federal. Por fim, mais R$ 22,8 milhões serão gastos pela prefeitura do Rio para adequações em instalações elétricas em algumas arenas. 

Nesta nova atualização da Matriz de Responsabilidades, a APO comemora o fato da conclusão de mais oito obras, como a Arena Carioca 1, no Parque Olímpico, e também o fato de que 60% do total dos investimentos serem da iniciativa privada. Boa parte desta verba foi aplicada na construção da Vila dos Atletas, do Campo de Golfe, e de algumas arenas no Parque Olímpico.  

- Antecipamos a conclusão de obras importantes como o circuito de canoagem slalom e a pista de mountain bike, no Complexo Esportivo de Deodoro - disse Marcelo Pedroso, presidente da APO.

A Matriz de Responsabilidades é uma das três bases que foram o "tripé" do orçamento da Rio-2016. As outras duas são os gastos do Comitê Organizador dos Jogos (R$ 7,4 bilhões) e o Plano de Políticas Públicas (R$ 24,6 bilhões), que engloba obras de legado para a cidade do Rio de Janeiro, como a revitalização do porto, expansão do metrô, entre outras. 

Com a soma destas três fontes, o orçamento dos Jogos atingiu R$ 39,07 bilhões. Até a última atualização da Matriz de Responsabilidades, o valor era de R$ 38,67 bilhões.