LANCE!
19/08/2016
13:23
São Paulo (SP)

Mesmo com pouco apoio financeiro e desconhecida da maioria do público brasileiro, a canoagem pode se tornar a principal fonte de medalhas olímpicas para o país anfitrião dos Jogos Olímpicos. Tudo isto graças ao baiano Isaquias Queiroz, que já trouxe uma prata e um bronze. Na manhã desta sexta-feira, ao lado de Erlon de Souza na categoria C2 1.000 metros,  canoísta chegou à sua terceira final na Lagoa Rodrigo de Freitas e agora briga pelo ouro. 

O antepenúltimo dia de competições no Rio de Janeiro também ficou marcado pela última participação das meninas do Brasil no polo aquático. Na decisão do último lugar no torneio, a equipe verde e amarela acabou derrotada para a China e ficou na lanterna. Mesmo assim, o sentimento foi de felicidade. Sensação parecida ao de Caio Bonfim da marcha atlética. O atleta terminou os 50km da prova na 9ª posição e surpreendeu seus adversários. 

Canoagem 

Isaquias Queiroz está muito perto de se tornar um dos maiores atletas brasileiros na história dos Jogos Olímpicos. O canoísta já conquistou uma prata e um bronze na Lagoa Rodrigo de Freitas e agora pode trazer mais uma - o que seria um fato inédito para o Brasil. Na manhã desta sexta-feira, ao lado de Erlon de Souza, o nordestino venceu sua bateria na C2 1.000 metros e está na final. A briga pelo pódio acontece na manhã do sábado.

Polo Aquático

Na disputa do último lugar do torneio feminino de polo aquático, o Brasil acabou sendo superado pela China, por 10 a 5, e terminou a competição na lanterna. Apesar do resultado não ter sido dos melhores, a equipe anfitriã saiu satisfeita pela participação na piscina do Complexo Aquático Maria Lenk. Afinal, essa foi a primeira vez que as meninas participaram dos Jogos. Ainda nesta manhã de sexta-feira, a Rússia bateu a Hungria nos pênaltis, por 7 a 6, depois de empatar no tempo normal em 12 a 12 e ficou com o bronze.

Marcha Atlética 

Na prova de 50km da marcha atlética, o brasileiro Caio Bonfim conquistou um resultado expressivo ao terminar o percurso na 9ª colocação entre os 80 atletas que iniciaram a disputa. No entanto, o que mais chamou foi o contratempo sofrido pelo francês Yohann Diniz, recordista mundial na prova.

Durante o trajeto, o europeu sofreu com problemas intestinais e acabou defecando na própria perna enquanto com marchava. Momentos depois, Diniz desabou no chão desmaiado. Os voluntários o ergueram e depois de rápida avaliação médica, o valente atleta voltou à disputa e conseguiu terminar o longo percurso no honroso 8° lugar.

Nado Sincronizado

A equipe brasileira do nado sincronizado levantou o público nesta manhã. Com duas apresentações muito atentas aos detalhes, as nadadoras terminaram em 6° lugar geral e ficaram muito felizes pelo desempenho. A Rússia faturou o ouro. A prata ficou com a China e o bronze, com o Japão.

Caso Ryan Lochte

Depois de ser desmascarado pela polícia brasileira, o nadador americano Ryan Lochte pediu desculpas por ter dito que foi assaltado no Rio de Janeiro quando, na verdade, causou confusão em um posto de gasolina e teve que pagar pelo banheiro quebrado. Nesta manhã, o medalhista olímpico emitiu uma nota dizendo que estava arrependido.

"Me desculpo com meus companheiros, meus fãs, os competidores, meus patrocinadores e os anfitriões deste evento incrível", declarou Lochte.