Hugo Gonzalez

Hugo Gonzalez de Oliveira olha para o placar para ver seu resultado (Foto:Ari Ferreira/LANCE!Press)

Rafael Valesi
11/08/2016
06:55
Rio de Janeiro (RJ)

O sobrenome de Hugo Gonzalez de Oliveira entrega. Apesar de ser espanhol, o nadador tem metade de sua origem no Brasil. Hugo foi um dos 908 atletas que disputaram medalhas no Estádio Aquático nos Jogos Olímpicos Rio-2016, e teve a felicidade de ter familiares presentes nas arquibancadas. Tanto de seu lado europeu, quanto do sul-americano.

O atleta é filho de pai espanhol e mãe brasileira. Nádia de Oliveira, dançarina, conheceu o pai de Hugo durante uma temporada de espetáculos na Espanha. E assim a família começou a ser formada.

Hugo nasceu em 1999 e começou a nadar aos três anos, por medo de se afogar. Hoje, o atleta é considerado pela imprensa espanhola uma das promessas da natação. No ano passado, ele foi campeão mundial júnior dos 200m costas. E na Olimpíada Rio-2016, foi o atleta mais jovem entre os 16 semifinalistas da prova, com apenas 17 anos. Nesta quarta-feira, ele não conseguiu uma vaga na decisão, ao terminar em 16º lugar, com a marca de 1m59s08. Apesar disso, saiu da piscina com um sorriso no rosto.

– Foi muito especial para mim nadar essa Olimpíada no Brasil. Eu tinha muita vontade de vir para cá – falou Hugo ao LANCE!, em um português carregado de sotaque espanhol, ao explicar que só veio ao país de sua mãe uma vez, quando era criança. A viagem acabou não deixando lembranças em sua mente.

Se a Olimpíada não trouxe medalhas a Hugo (ele também nadou os 100m costas, em que ficou em 20º lugar), pelo menos o evento serviu para o encontro dos dois lados de sua família. Na arquibancada do Estádio Aquático, estavam seus pais, seus dois irmãos (Nadia e Rubén, mais jovens do que Hugo e também nadadores espanhóis), além de uma tia e uma prima que vivem em Salvador.

A união dos familiares foi simbolizada com as bandeiras de Brasil e da Espanha, que ficaram lado a lado no palco da natação olímpica.

– Eu não conheço muito da cultura brasileira, mas estou tentando aprender com a minha mãe. Em casa, falo mais espanhol, até porque meu pai não entende português – falou Hugo, que celebrou sua primeira participação olímpica da carreira.

– Foi minha primeira semifinal olímpica, uma experiência muito boa. Isso vai me dar mais ânimo para treinar ainda mais – falou.