Seleção feminina dos EUA testa o gramado renovado do Mineirão

Mineirão já está pronto e será palco da primeira rodada do Grupo G de futebol feminino (Foto: Luiz Augusto Veloso)

Enrico Bruno
02/08/2016
18:09
Belo Horizonte (MG)

Apesar de a cerimônia de abertura acontecer somente na sexta-feira, seis partidas de futebol feminino marcam o pontapé inicial dos Jogos Olímpicos de 2016. E nesta primeira rodada do Grupo G, o Mineirão será palco de dois ótimos confrontos e das maiores estrelas da modalidade. Abrindo as partidas da noite, às 19h, os Estados Unidos enfrentam a Nova Zelândia. No jogo seguinte, às 22h, a também favorita seleção da Franca duela com a Colômbia.

Há seis meses, a FIFA elegeu o time ideal com as melhores jogadoras do mundo em cada posição. Das onze atletas, nada menos que sete estarão presentes no Mineirão. Os Estados Unidos serão representados pela goleira Hope Solo, as defensoras Meghan Klingenberg e Julie Johnston, e a armadora Carli Lloyd, atual melhor jogadora do mundo. Já a França contará com a defensora Wendie Renard, a meia Amandine Henry e a atacante Le Sommer em seu plantel.

Tetra campeão olímpico (Atlanta/1996, Atenas/2004, Pequim/2008 e Londres/2012), a seleção feminina dos Estados Unidos chega forte para a disputa. Em Belo Horizonte desde a última quinta-feira, as americanas são lideradas pela goleira Hope Solo, a atacante Alex Morgan e a armadora Carli Lloyd, eleita melhor jogadora do mundo em 2015. Cotadas para o lugar mais alto no grupo e no pódio, as atletas ianques são mais que favoritas também no confronto diante da Nova Zelândia, que não tem tradição na modalidade e começa a competição apontada como um dos sacos de pancadas do torneio.

- Nossos maiores rivais somos nós mesmos. Os outros times não nos intimidam. Claro que Alemanha, França e Brasil, por ser o anfitrião, e a Austrália também vêm bem. Mas, honestamente, nenhum time me intimida. Temos que manter o foco total no primeiro jogo – comentou Carli Lloyd, em entrevista após o reconhecimento do gramado do Mineirão.

Na última partida da noite, a França, considerada a mais nova potência do futebol feminino, pega a Colômbia, terceira força do grupo. A seleção Les Bleus conta com oito remanescentes do quarto lugar nas olimpíadas de Londres, dentre eles a atacante Eugénie Le Sommer, seu maior destaque. Mas o histórico dos confrontos mostra que a equipe não terá vida fácil. Apesar de disputar apenas sua segunda Olimpíada na história, a vice-campeã da Copa América de 2014 e do Pan de 2015 já mostrou que pode bater de frente com a seleção de Phillipe Bergeroo. Na fase de grupos da Copa do Mundo de 2015, a Colômbia contou com uma atuação impecável da goleira Sandra Sepúlveda e venceu a França por 2 a 0.