Guilherme Cardoso e Marcelo Laguna
14/08/2016
22:28
Rio de Janeiro (RJ)

Não havia expectativa maior no Engenhão na noite deste domingo, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. As outras disputas pouco importavam, como semifinais dos 400m feminino, eliminatórias do salto em altura masculino, entre outras do programa. Todos queriam ver a final dos 100m rasos masculino – e olha que as semis dessa disputa aconteceram um pouco mais de uma hora antes. Na verdade, as pessoas desejavam assistir ao jamaicano Usain Bolt. E ele não decepcionou. O velocista é tricampeão olímpico da prova mais rápida do atletismo, um feito até hoje inédito na história.

Não dá para negar, Bolt é uma das principais, se não a principal estrela da
Olimpíada da capital carioca. Tem sido assim desde Pequim-2008, quando ele conquistou suas primeiras medalhas de ouro. Seguiu dessa maneira em Londres-2012, e a mesma situação acontece agora.

Os tempos alcançados pelo velocista em sua carreira e os títulos já dizem muita coisa. Mas impressiona ainda mais sua tranquilidade antes de cada prova. Nem mesmo as possíveis pressões pelos bons resultados do americano Justin Gatlin ou o crescimento do compatriota Yohan Blake assustam. A cada disputa, o agora tricampeão olímpico segue com sua rotina: é ovacionado pelo público ao entrar no estádio, prepara o bloco de saída, brinca com a câmera para animar o público, pede silêncio, faz o sinal da cruz, não larga tão bem e... vence!

O título na Rio-2016 veio com o tempo de 9s81. Atrás dele, veio Gatlin. Seu principal rival do momento. Seu principal freguês da atualidade.

Ao ver Bolt cruzar na primeira colocação, o público, que se calou por alguns instantes para o tiro de largada, foi ao êxtase. Afinal, o dono da festa acabava de mostrar que estava tudo pronto para o início de mais comemorações.

O jamaicano entrou na onda. Festejou com o público, fez o seu sinal característico... Tudo normal, como em qualquer conquista. O atleta ainda volta à pista do Engenhão para os 200m e o revezamento 4x100m, para sua despedida olímpica. Provavelmente, com novas vitórias. E muita comemoração.