Guilherme Cardoso
29/07/2016
16:26
Enviado Especial ao Rio de Janeiro (RJ)

A agitação da Vila da Olímpica dos Jogos Olímpicos ainda passa longe da Seleção Brasileira de judô. Com uma semana para o início da Olimpíada do Rio de Janeiro, os atletas seguem concentrados em um hotel em Mangaratiba, a cerca de 97km da capital carioca. Um lugar pacato, em que é difícil até encontrar um sinal para fazer ligações com o celular. Mas um local pronto para deixar os atletas concentrados e bem preparados para buscar uma medalha.

Em parceria com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), a Confederação Brasileira de Judô criou uma grande estrutura para a preparação dos judocas. São três tatames, todos com placares para a simulação de lutas, uma sala de musculação com equipamentos apropriados para a modalidade, salas para tratamento médico, fisioterapia, conversas com a psicóloga, reuniões...

- É a melhor preparação da história? Sim. Mas não apenas por conta do investimento. Mas por tudo o que foi montado para os atletas – resumiu o coordenador da Seleção, Ney Wilson.

A ideia da CBJ era encontrar um local afastado para deixar os atletas focados somente na competição. Um primeiro teste no local foi feito no ano passado, antes dos Jogos Pan-Americanos de Toronto (CAN). A estadia serviu para testar o local e preparar as modificações para a Rio-2016.


Além dos 14 judocas convocados para os Jogos Olímpicos e toda a comissão técnica, o trabalho em Mangaratiba conta com a participação de outros 70 atletas. Todos servem como sparring dos titulares. São de quatro a cinco “ajudantes” por competidor, destros e canhotos, todos prontos para simular qualquer situação de luta. Dentro da concentração, eles assistem à vídeos dos possíveis rivais para isso.

O material de imagem, aliás, tem sido tratado com muito cuidado. Segundo a CBJ, 99% dos possíveis adversários dos brasileiros nos Jogos Olímpicos já foram mapeados. E o trabalho vai durar durante toda a Olimpíada.

Mas nem tudo é trabalho e treino. Os judocas também possuem um espaço para convivência e diversão, com mesas de tênis de mesa, jogos de tabuleiro e até um vídeo game. Mas tudo tem um horário para acabar. Por decisão dos próprios competidores, os homens vão para os quartos às 22h e as mulheres às 22h30. Tudo para manter o foco em um local a 97km de distância: o Rio de Janeiro e os Jogos Olímpicos.

Vale lembrar que os judocas também vão para a Vila Olímpica antes das competições. Os atletas entrarão no local dois dias antes de suas lutas.