Fábio Suzuki
15/08/2016
18:11
Rio de Janeiro (RJ)

O resultado do confronto contra a Suécia pelo handebol masculino, nesta segunda-feira, não importava para o Brasil por conta das derrotas de Polônia e Egito, que jogaram mais cedo e definiram a posição da Seleção Brasileira no grupo. Talvez por conta do terceiro lugar garantido na primeira fase, a equipe fez a sua pior partida nos Jogos Olímpicos, sendo derrotada pelos suecos por 30 a 19.

O time comandado pelo técnico espanhol Jordi Ribera começou muito mal, principalmente nas jogadas de ataque, o que permitiu a seleção sueca abrir logo três gols de vantagem antes dos dez minutos de jogo. Precisando correr atrás do placar, o Brasil teve que se expor nas ações ofensivas substituindo o goleiro César “Bombom” por um jogador de linha, o que fez a Seleção Brasileira levar três gols com arremessos de longa distância feitos pelos suecos de seu campo de defesa.

O fraco desempenho do Brasil na primeira etapa está nas estatísticas. Enquanto a Suécia teve um aproveitamento de 73% nos 22 ataques realizados no período, o Brasil conseguiu marcar em apenas 48% das 21 chances que teve. Muitos das chances desperdiçadas têm que ser creditadas à excelente atuação do goleiro Mikael Appelgren, que fez grandes defesas, algumas delas em contra-ataques em que ficou cara a cara com os jogadores brasileiros.

Os gritos de “eu acredito” entoados pela torcida brasileira logo no início do segundo tempo deram ânimo à Seleção, que melhorou na etapa final e chegou a esboçar uma reação diminuindo o placar para 3 gols. Mas no final, a Suécia voltou a impor seu jogo sobre a equipe brasileira e venceu por uma diferença de 11 gols.

O adversário do Brasil nas quartas-de-final dos Jogos Olímpicos Rio-2016 será definido na noite desta segunda-feira com os jogos do Grupo A. O provável adversário é a Croácia, que enfrenta a Tunísia, última colocada do grupo. Apenas em caso de derrota dos croatas, a Seleção Brasileira enfrentará a Dinamarca na próxima fase da competição.