Luis Fernando Coutinho
06/08/2016
15:57
Rio de Janeiro (RJ)

Aconteceu na manhã deste sábado e terminou durante a tarde a prova masculina de ciclismo de estrada da Rio-2016. A prova cruzou 14 bairros cariocas, começou com 144 competidores e terminou com a vitória do ciclista belga Greg van Avermaet, de 31 anos, que conseguiu uma arrancada emocionante no fim e comemorou o ouro diante de uma multidão na praia de Copacabana após 6h10m05seg de prova.

Em um percurso que teve como plano de fundo as belezas naturais do Rio de Janeiro, uma prova difícil. Com uma alternância constante na ponta, a prova teve muitos líderes e momentos eletrizantes, sempre acompanhados por dezenas de fãs espalhados pelo percurso e milhares de torcedores em Copacabana. O vencedor só liderou por um momento a prova, com cerca de 5h40 de pedalada. Ele depois ficou no pelotão de perseguição e só despontou no fim para garantir o ouro. Ele, o dinamarquês Jakob Fuglsang e o polonês Rafal Majka travaram um duelo de tirar o fôlego na reta final. Jakob ficou com a prata, e Rafal com o bronze. Um dos favoritos, Christopher Froome, da Grã-Bretanha ficou em 12}. Ele se acidentou durante a corrida. Os brasileiros não conseguiram boas colocações. Murilo Fischer foi o 63º, e Kleber Ramos ficou na 128º posição.    

O percurso contou com alguns acidentes. Muitos ciclistas perderam o controle de suas bicicletas, se lesionaram e tiveram de deixar a competição devido aos difíceis solos do percurso montado. Um acidente no fim abriu caminho para Rafal Majka, mas o polonês não foi capaz de sustentar a posição.

A prova
Já nos primeiros 50km percorridos, o ciclista turco Ahmet Orken caiu e se machucou, deixando a prova. O acidente aconteceu quando o pelotão passava pelas suas da praia de Grumari, que em algumas partes são feitas de paralelepípedos. O trecho, foi, inclusive, o mais difícil de todo o percurso, onde além do solo complicado os atletas tiveram de encarar subidas íngremes, que chegam a 5.184 metros de ascensão no total da prova. Muitos atletas pararam no trecho para checar suas bicicletas e pedir suporte de ajuste técnicos.

Na liderança, seis atletas se revezavam: Michael Albasani (SUI), Simon Geschke (ALE), Erik Bystrom (NOR), Jarlinson Pantano (COL) e Michal Kwiatkowski (POL) e Pavel Kochetkov (RUS). Antes de chegar aos 100km percorridos, a diferença de tempo entre o pelotão central e os líderes caiu de nove para cinco minutos.

Alguns acidentes aconteceram durante o percurso. Atletas do Irã e Grã-Bretanha saíram da pista após perderem o controle de suas bicicletas. Além disso, os ciclistas precisaram de grande reabastecimento de água e comida. Bananas eram consumidas pelos atletas durante a prova. Alguns ciclistas precisaram de ajustes nas rodas e na aparelhagem de suas bicicletas. O serviço era feito por carros com a comissão técnica de cada país que acompanhavam os atletas de perto.

Quando a prova chegou na metade, a distância entre o pelotão maior e os seis líderes despencou para 1m50seg. Fãs, profissionais e curiosos acompanharam com empolgação a passagem dos ciclistas por cada um dos pontos da cidade.

Os últimos 100km começaram na praia da Barra da Tijuca, onde banhistas correram das areias para verem os atletas passarem e os saudaram. O pelotão central tinha os brasileiros Kleber Ramos e Murilo Fischer pedalando no meio. Com o passar do tempo, a prova ganhou apenas dois líderes e o polonês Michal Kwiatkowski e o russo Pavel Kochetkov se alternaram na primeira posição, enquanto um pelotão de perseguição foi formado logo atrás e o maior seguiu se aproximando. Nos últimos 40km, o grupo de liderança aumentou e chegou a contar com dez ciclistas se alternando na ponta. A Itália chegou a ter três competidores no grupo da frente, mas não sustentou o domínio.

Perto dos 10km finais, um acidente derrubou os ciclistas Vincenzo Nibali (Itália), Sergio Montoya (Colômbia) e Jakob Fuglsang (Dinamarca), abrindo caminho para Rafal Majka (Polônia). O polonês acelerou e pareceu estar certo do ouro, até que Jakob Flugsang (Espanha) e Greg Avermaet (Bélgica) se aproximaram e travaram um duelo até o fim. Greg guardou energia e explodiu na reta final, garantindo a primeira colocação. Assim como em diversos trechos do percurso, o público deu um show a parte e apoiou incessantemente os ciclistas.