Fabíola

Fabíola está recuperada de gravidez e irá disputar a sua primeira Olimpíada (Foto: FIVB/Divulgação)

Jonas Moura
18/07/2016
20:16
Rio de Janeiro (RJ)

Em um dia de alegria para alguns e de tristeza para outros, o Brasil ficou mais perto de conhecer a delegação completa que disputará os Jogos Olímpicos Rio-2016. Os últimos cortes nas Seleções de vôlei foram anunciados nesta segunda-feira, assim como a relação de convocados no hipismo. Nomes que eram dados como certos na lista há alguns meses não se confirmaram.

As principais surpresas são as ausências do ponteiro Murilo, medalhista de prata em Pequim e Londres (ING), e de Rodrigo Pessoa, campeão em Atenas (GRE), na equipe titular de saltos.

Aos 35 anos, o jogador de vôlei ficou fora da lista do técnico Bernardinho em razão de um estiramento na panturrilha esquerda. A comissão técnica avaliou que não haveria tempo para ele se recuperar. Os outros cortados foram o central Isac, que perdeu espaço com a ascensão de Maurício Souza, e o líbero Tiago Brendle, que não barrou Serginho.

Já o cavaleiro, de 43 anos, foi convocado apenas na condição de reserva em sua prova. Ele só se tornará o brasileiro com maior número de participações na história olímpica caso algum titular não possa competir. Pessoa disputou os Jogos de Barcelona (ESP), Atlanta (EUA), Sydney (AUS), Atenas, Pequim e Londres.

Na Seleção feminina de vôlei, a líbero Léia ganhou a disputa com Camila Brait, que amargou o segundo corte na véspera de uma Olimpíada. Em Londres, ela havia sido desligada a três dias dos Jogos. Na época, Fabi era titular absoluta na posição.

A briga era considerada pelo técnico José Roberto Guimarães a maior dor de cabeça no processo de definição da lista final. Após a aposentadoria da veterana, Camila, de 27 anos, foi apontada como sucessora natural. Mas o desempenho de Leia, de 31, na Superliga, chamou a atenção da comissão técnica. De quebra, a jogadora foi um dos destaques da Seleção no Grand Prix, vencido pelo Brasil, o que lhe rendeu a vaga.

A levantadora Fabíola, que teve a segunda filha, Annah Vitória, no dia 19 de maio, e só voltou a treinar em junho, irá à primeira Olimpíada após muitos sacrifícios. Ela precisou fazer parto normal e seguir uma série de orientações médicas para que o processo de recuperação não se estendesse, o que inviabilizaria sua ida aos Jogos.

Assim como Brait, a jogadora ficou fora da Olimpíada de Londres na reta final, quando Zé Roberto optou por levar Fernandinha. 

A 18 dias da cerimônia de abertura, ainda restam as definições dos 24 atletas convocados no basquete (12 no masculino e 12 no feminino). O Time Brasil já conta com 438 nomes. Ao todo, chegará a 462, recorde na história do megaevento.

Entre os atletas, serão 209 mulheres e 253 homens. O recorde anterior foi alcançado em Pequim (CHN)-2008, quando o Brasil competiu com 277 atletas (132 mulheres e 145 homens). No total, a delegação terá 806 integrantes, entre atletas e oficiais.