Brasil x Japão - Basquete (Foto:AFP)

Iziane mais uma vez foi a cestinha do Brasil com 20 pontos (Foto:AFP)

Bernardo Cruz
08/08/2016
20:13
Rio de Janeiro (RJ)

A zona mista da Seleção Brasileira feminina de basquete após mais uma derrota no Grupo A, desta vez para o Japão por 82 a 66, era de autocrítica. Diferente da estreia diante da Austrália, o Brasil teve atuação apática, insegura e de muitos erros do início ao fim.

O técnico Antônio Carlos Barbosa lamentou o fato do Brasil ter se tornado uma presa fácil para o Japão, adversário que a Seleção derrotou com tranquilidade em dois amistosos preparatórios antes dos Jogos Olímpicos.

- Jogamos muito mal. Quando você joga mal ofensivamente você desequilibra defensivamente. Nos tornamos uma presa muito fácil. Acho que foi consequência do trabalho que eles estão fazendo. Nada ainda está liquidado. Podemos buscar um lugar nas quartas - declarou o treinador.

Já Iziane foi mais incisiva. A cestinha brasileira pelo segundo jogo seguido, com 20 pontos, declarou que a própria Seleção provocou dificuldades contra as japonesas. No entanto, ela ainda acredita na vaga.

- Temos três times duros pela frente e precisamos vencer. E quando você faz m.... é assim, perder de 20 pontos para o Japão, com todo o respeito e mérito delas, nunca aconteceu comigo. Você constrói a dificuldade para si mesmo. A Austrália, tudo bem, é uma equipe mais forte e a gente podia se dar ao luxo de perder. O Japão, uma equipe que a gente conhece e já tinha enfrentado, não podia deixar isso acontecer. Leite derramou, já era. Agora é trabalhar e vencer esses três últimos jogos para conseguir uma boa classificação - afirmou.

A Seleção está na lanterna do Grupo A, com dois pontos. Agora, para conseguir a classificação, precisa vencer todos os três jogos (Bielorrússia, Turquia e França) para avançar sem depender de resultados e fugir dos Estados Unidos. Dois triunfos também podem dar a vaga na próxima fase.

O terceiro duelo na chave acontece já nesta terça-feira, às 15h30, na Arena da Juventude, em Deodoro, diante da Bielorrússia, que também perdeu seus dois primeiros compromissos.